No YouTube

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Resenha: Jesse Cook – One World


O canadense Jesse Cook é um dos virtuosos do violão no mundo e também é considerado um dos principais nomes do chamado “novo flamenco”, conhecido por incorporar, além dos elementos tradicionais do gênero, rumba, jazz e muito da world music – ou seja, ele mistura ritmos de lugares diferentes do globo em sua música, formando algo bem original e diferente.

One World é seu nono disco de estúdio, e ele começa o novo álbum com "Shake" típica canção flamenca que dá bom ritmo ao início do trabalho, mostrando que ele tem competência o suficiente para tocar esse tipo de música instrumental. Mais acústica, mas misturando elementos até do hip-hop, "Taxi Brazil" é uma boa faixa para se ouvir.

Segunda mais longa em duração (pouco mais de cinco minutos), "Once" conta com um ar mais clássico, quase uma ópera, em que o arranjo de cordas da melodia é sublime de tão bonito. Por ser uma canção instrumental, é tão bonita que é quase impossível não chorar. Não sei se é uma imensa coincidência, porém "Bombay Slam" é justamente a canção que mais carrega a dose nos elementos de música indiana, principalmente no início.

O ar de balada pop no início "To Your Shore" desanima, até que do meio em diante a coisa melhor e embala, enquanto "Three Days" é mais clássica, simples e usa menos de elementos modernos. Com auxilio de Tommy Emmanuel, um dos grandes nomes do violão na atualidade, "Tommy and Me" ganha toques do Oriente Médio, além de ser a primeira faixa com vocal – ainda que mínimo.

Em "When Night Falls", mais uma vez o arranjo de cordas dá conta de construir um clima bem agradável aos ouvidos, e em "Steampunk Rickshaw" ouvimos a influência da música árabe no disco, assim como em "Beneath Your Skin". O fim na curta "Breath", a menor de todo álbum, é o retorno ao molde mais clássico da proposta do álbum.

Para quem deseja aprender um pouco mais sobre a world music, é até estranho pensar que um canadense que toca música flamenca possa te ajudar. Mas ele pode. E muito. O bom gosto nos arranjos e a tocada agradável do álbum mostram que qualquer um pode fazer qualquer tipo de música no lugar do mundo em que estiver. É um ótimo álbum, sem dúvida.

Tracklist:

1 - "Shake"
2 - "Taxi Brazil"
3 - "Once"
4 - "Bombay Slam"
5 - "To Your Shore"
6 - "Three Days"
7 - "Tommy and Me" (feat. Tommy Emmanuel)
8 - "When Night Falls"
9 - "Steampunk Rickshaw"
10 - "Beneath Your Skin"
11 - "Breath"

Nota: 3,5/5


Veja também:
Resenha: METZ – METZ II
Resenha: John Patitucci Guitar Quartet - Brooklyn
Resenha: My Morning Jacket – The Waterfall
Resenha: Mountain Goats – Beat The Champ
Resenha: Palma Violets – Danger in the Club
Resenha: Tulipa Ruiz – Dancê
Resenha: Hindi Zahra – Homeland