No YouTube

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Resenha: Villagers - Darling Arithmetic


Depois de {Awayland}, um dos ótimos discos lançados em 2013, o Villagers voltou à ativa com Darling Arithmetic, seu terceiro trabalho de estúdio em cinco anos. Formado por Conor O'Brien, Tommy McLaughlin, Danny Snow, James Byrne e Cormac Curran, a banda usa country folk como base, mas havia certa mistura com outros gêneros, e as canções são bem interessantes e um tanto diferentes da maioria.

Mas neste disco, eles retornam ao country folk de raiz, como é o caso de "Courage", um verdadeiro folk. Só voz e violão, a faixa ganha delicadeza com a melodia ao fundo – dá um ar bonito e emocionante com seu refrão. Em "Everything I Am Is Yours" não há nada que surpreenda. Até mesmo a tentativa de dar um ar psicodélico fica abaixo do esperado, porque eles fizeram isso melhor no trabalho passado.

"Dawning On Me" é... Chata para burro, e deu um baita sono ao ouvi-la, assim como "Hot Scary Summer" (que soa muito como uma tentativa de fazer algo mais pop, mas fracassa veementemente). Como uma banda que fez um dos melhores discos de 2013 erra tanto a mão assim? Calma, tudo volta ao normal na ótima "The Soul Serene", em que o refrão e a distorção ao fundo ajudam a criar um clima diferente e interessante.

Outro momento sonolento do disco é em "Darling Arithmetic". Apesar da tentativa de fazer algo bonito, leve e com certo tom épico, fica só na tentativa mesmo. Entretanto, eles conseguem aliar bem o country folk com algo mais moderno na sétima canção, chamada "Little Bigot". Ela soa melhor do que a anterior, por exemplo. Porém a chatice retorna em "No-one To Blame" e "So Naïve", duas últimas canções do álbum.

É muito difícil quando uma banda que você passou a gostar recentemente faz um disco tão ruim. E não é nem a questão de ser um estilo mais folk, a questão está é que ficou ruim e muito sem sal. Se o disco anterior usava muito de certa influência psicodélica e usava e abusava de boas ideias, esse novo registro é muito pobre nesse aspecto. Parece que houve uma regressão nas ideias da banda. Uma pena, porque minha expectativa era bastante alta e terminou em frustração.

Tracklist:

1 - "Courage"
2 - "Everything I Am Is Yours"
3 - "Dawning On Me"
4 - "Hot Scary Summer"
5 - "The Soul Serene"
6 - "Darling Arithmetic"
7 - "Little Bigot"
8 - "No-one To Blame"
9 - "So Naïve"

Nota: 1,5/5


Veja também:
Resenha: Seasick Steve – Sonic Soul Surfer
Resenha: Guadalupe Plata – Guadalupe Plata 2015
Resenha: Bixiga 70 – Bixiga 70 III
Resenha: Toro Y Moi – What For?
Resenha: Waxahatchee – Ivy Tripp
Resenha: Brian Wilson - No Pier Pressure
Resenha: Frank Catalano e Jimmy Chamberlin – God’s Gonna Cut You Down

Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!