No YouTube

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Resenha: The Kooks – Listen


O Kooks é uma entre várias bandas que ficaram no meio do caminho entre o mainstream e o nicho deles – nesse caso, o indie. Mesmo emplacando um sucesso aqui, outro ali, eles nunca se consolidaram no cenário como uma grande grupo ou aquela aposta de um hit bom por disco. Já no quarto trabalho de estúdios, passou da hora de mostrar a que veio.

O início de "Around Town", junto com o coro, até chamam atenção, mas a canção cai muito de nível. Parece o Foster The People rearranjado ou qualquer coisa semelhante. As coisas não melhoram em "Forgive & Forget", seu quê moderno não ajuda em nada a tentativa de pegada mais pop. Aliás, até aqui, a mistura de instrumentos, sonoridades e camadas só colabora para fazer um disco que os indies vão adorar, mas o resto das pessoas vai detestar.

A balada "Westside" até soa uma tentativa de algo fora da curva, porém a letra simplória não ajuda em nada no andamento dos pouco mais de três minutos para o final. Mais uma balada, desta vez... no piano. Caras, não. Piano, não. Não aqui, não agora. "See Me Now" fará muita gente chorar. No meu caso, foi de desgosto. Animada e exatamente o que esperava do Kooks, "It Was London" até que é boa.

"Bad Habit" mostra que esse caminho eletrônico do grupo é bem ruim. Um pouco mais pesada do que as anteriores, a faixa é recheada de guitarras, riffs ou não, e parece outra banda. Em "Down", voltamos à chatice anterior. A tentativa em fazer um reggae - ou algo parecido – não funcionou.

É possível perceber que o Kooks está envelhecendo pela quantidade de baladas nesse disco. "Dreams" é uma, mas, diferente das outras, o violão predomina, enquanto outros instrumentos apenas complementam o andar da melodia. Até que é uma canção bonitinha, vai. Até que estava demorando para o modo Foster The People ser ligado novamente. "Are We Electric" não é só ruim, é péssima.

Já "Sunrise" tem todos os elementos para fazer sucesso por ter aquela guitarra fácil, aquele refrão bonitinho e ser dançante. Mas é ruim, assim como "Sweet Emotion", que encerra o disco de maneira melancólica e sem perspectiva alguma de melhora.

O Kooks tinha potencial para estar no mesmo nível de Franz Ferdinand, por exemplo. Entretanto, eles optaram por ficar ali no indie e fazer exatamente o que a maioria desse nicho faz: músicas bobas, letras ruins e melodias fáceis. Uma pena ver tanto potencial jogado na lata do lixo – mais uma vez.

Tracklist:

1 - "Around Town"
2 - "Forgive & Forget"
3 - "Westside"
4 - "See Me Now"
5 - "It Was London"
6 - "Bad Habit"
7 - "Down"
8 - "Dreams"
9 - "Are We Electric"
10 - "Sunrise"
11 - "Sweet Emotion"

Nota: 1/5



Veja também:
Resenha: U2 – Songs of Innocence
Resenha: Karen O – Crush Songs
Resenha: Interpol – El Pintor
4 em 1: Ariana Grande, Maroon 5, Tiago Bettencourt e Pennywise
Resenha: Judas Priest - Redeemer of Souls
Resenha: Banda do Mar – Banda do Mar




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+ e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!