Mais no blog:

quarta-feira, 7 de abril de 2021

Resenha: Godspeed You! Black Emperor - G_d's Pee AT STATE'S END!


Gostar de música experimental é, em algum momento, ter contato ou descobrir os canadenses do Godspeed You! Black Emperor. A banda formada em meados dos anos 1990 faz de cada álbum um grande acontecimento em que é impossível não querer ouvir tudo do início ao fim. Cada trabalho gera uma expectativa diferente para saber o que eles vão entregar em cada faixa, sendo bem difícil não acabar se surpreendendo com o resultado mais de uma vez.

O novo disco, chamado "G_d's Pee AT STATE'S END!", não escapa dos temas palpitantes nos Estados Unidos no momento: pandemia, o excesso das forças policiais na sociedade e a opressão dos ricos em relação aos pobres. Mesmo sendo um trabalho de música instrumental, dá para ouvir e sentir essas histórias, e como tudo isso afeta o cotidiano das pessoas nesse momento mais do que complicado do mundo.

Veja também:
Dois discos: Tune-Yards e Flock of Dimes
Duas resenhas: Floating Points e Death From Above 1979
Resenha: Tomahawk - Tonic Immobility
Duas resenhas: The Weather Station e Divide and Dissolve
Duas resenhas: Soen e Rob Zombie
Duas resenhas: American Culture e Jon Batiste

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Estou no Twitter e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

O teor experimental do álbum consegue misturar elementos básicos do rock com muitos efeitos, distorções e tudo mais que o post rock apresenta. Em pouco mais de 50 minutos, Godspeed You! Black Emperor mostra talento e força para contar as histórias propostas. E não só a sonoridade bem construída move o ouvinte a seguir, como se fosse um livro em que a jornada é tão importante quanto o último capítulo.

Não é uma banda conhecida e tampouco será estrela de qualquer festival de música com área VIP, cerveja quente e falta de banheiro químico, mas o Godspeed You! Black Emperor tem uma força incrível para conseguir transformar as dores e os problemas do cotidiano em histórias sonoras muito potentes. Um bom exemplo disso é a ótima "Fire at Static Valley" em seus quase seis minutos.

O novo álbum mostra como uma banda consegue aliar um lado experimental cheio de energia com uma direção capaz de transformar a melancolia em música instrumental de alta qualidade. É um dos grandes álbuns desse primeiro semestre, sem sombra de dúvida.

Tracklist:

1 - "A Military Alphabet (five eyes all blind) (4521.0kHz 6730.0kHz 4109.09kHz) / Job’s Lament / First of the Last Glaciers / where we break how we shine (ROCKETS FOR MARY)"
2 - "Fire at Static Valley"
3 - "GOVERNMENT CAME" (9980.0kHz 3617.1kHz 4521.0 kHz) / Cliffs Gaze / cliffs’ gaze at empty waters’ rise / ASHES TO SEA or NEARER TO THEE"
4 - "OUR SIDE HAS TO WIN (for D.H.)"

Avaliação: ótimo

Continue no blog: