Mais do blog:

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Resenha: Angel Olsen - All Mirrors


Angel Olsen mostrou uma incrível evolução no ótimo "My Woman" (2016), quando apontou um caminho na carreira com uma maior maturidade nas composições do terceiro disco de estúdio da carreira. Esse álbum, até então, era o melhor da carreira dela. Até ela disponibilizar recentemente "All Mirrors". Aos 32 anos, Olsen entra definitivamente no hall de grandes compositoras desse século 21.

Ao abrir o disco com "Lark", faixa que "levou anos para terminar", segundo a própria cantora, ela fez após uma discussão séria com uma pessoa de confiança e refletiu sobre como é difícil mudar quando você promete coisas a outra pessoa. O jeito como Olsen fala sobre isso é que vai tocar muita gente, porque ela não usa elementos muito conhecidos, mas recheia de influências de gente como Björk, St. Vincent e outras.

Veja também:
Resenha: Liam Gallagher - Why Me? Why Not.
Resenha: Brittany Howard - Jaime
Resenha: Tinariwen - Amadjar
Resenha: Teago Oliveira - Boa Sorte
Resenha: Whitney - Forever Turned Around
Resenha: Pixies - Beneath the Eyrie


Depois a faixa-título segue nessa linha, só que mais eletrônica e com mais destaque para a voz da cantora. Segundo ela, "All Mirrors" foi escolhido para nome do álbum por hoje todo mundo ser um espelho para todo mundo. Depois emenda "Too Easy" e "New Love Cassette", duas canções com bastante força melódica e pouco espaço para o lúdico.

"Spring", a música mais feliz de todo trabalho, aborda de maneira muito direta como não controlamos absolutamente nada em nossas vidas. Uma hora você está em uma situação e tudo pode mudar de uma vez em um curto espaço de tempo. Por isso, tentar equilibrar tudo é fundamental. E a experimental "What It Is" fala sobre como preencher o vazio da vida não significa estar apaixonado -- é a melhor do álbum.

Mas "Impasse" também impressiona muito pela força do arranjo pela melancolia da letra, enquanto "Tonight" é dessas que fará qualquer um com o mínimo de sentimento chorar aos montes assim quer terminar de ouvir. A parte final reserva ótimos momentos em "Summer", "Endgame" e "Chance".

Angel Olsen vive grande fase na carreira musical e mostra isso nesse novo álbum. "All Mirrors" substitui "Woman" como melhor álbum da carreira dela, mostrando a evolução no processo musical dela ganhou maturidade para usar novos elementos sem descaracterizar o que ela sempre quis ser.


Tracklist:

1 - "Lark"
2 - "All Mirrors"
3 - "Too Easy"
4 - "New Love Cassette"
5 - "Spring"
6 - "What It Is"
7 - "Impasse"
8 - "Tonight"
9 - "Summer"
10 - "Endgame"
11 - "Chance"

Avaliação: excelente



Continue no blog:


Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!