sexta-feira, 3 de maio de 2019

Resenha: Bárbara Eugênia - Tuda


Bárbara Eugênia surgiu como um dos bons nomes da nova safra de cantoras da música brasileira. O último disco solo, "Frou Frou", a apresentou com um potencial imenso para deslanchar. E o trabalho em parceria com Tatá Aeroplano, "Vida Ventureira" (2017), mostrava ela abrindo um leque imenso de oportunidades musicais para si mesma. Quarto disco de estúdio, "Tuda" foi disponibilizado no início de março.

O início do álbum com "Saudação", com participação do Bloco Pagu na percussão, apresenta uma brasilidade muito boa e surpreendente logo de cara, mostrando um tipo de caminho a ser seguido pela cantora ao longo do álbum, certo? Pois bem, "Perdi" surge e tem uma linha completamente diferente. Mais eletrônica e bem melosa, quebra a sequência logo de cara.

Veja também:
Resenha: Chemical Brothers - No Geography
Resenha: Julian Lage - Love Hurts
Resenha: Norah Jones - Begin Again
Resenha: Sara Bareilles - Amidst the Chaos
Resenha: Snarky Puppy - Immigrance
Resenha: Panda Bear - Buoys


"Perfeitamente imperfeita" mistura um pouco das duas e até funciona por ter certo gingado e uma letra bem grudenta. Mais perto do trabalho feito com Tatá Aeroplano, "As maçãs que vêm" também funciona e encaixa melhor na própria discografia da cantora. E "Sol de verano" quer exaltar uma latinidade, mas fica só na tentativa mesmo.

Voltando ao eletrônico, "Bagunça" é uma parceria com Zeca Baleiro que funciona bem, mas é o caso: fica completamente perdida em meio a escolha do repertório do álbum. Ao manter a linha em "Querência", já é alguma coisa. O problema é que faixa, economizando no palavreado, não é das melhores. E "Por la luz y por tierra" até tenta de novo ter uma certa latinidade sem conseguir sucesso.

As influências da música paraense surgem em "Confusão", uma boa faixa dançante com participação de Felipe Cordeiro. Aqui sim, a coisa funciona de um modo em que nada soa forçado. A melancólica "Apaixonada feito gente não" inicia como um ponto fora da curva até que entra no ritmo e funciona. Por fim, a faixa experimental "Eu vim saudar" encerra o trabalho.

"Tuda" poderia ser "Tudo", porque Bárbara Eugênia atira para todos os lados. Se a intenção era fazer uma playlist, ela conseguiu. Uma pena que isso sacrificou qualquer linha de trabalho ou mínima qualidade. Duas, no máximo três, faixas se destacam em meio a bagunça do disco. Um recuo imenso depois de evolução em trabalhos anteriores.


Tracklist:

1 - "Saudação" (feat. Bloco Pagu)
2 - "Perdi"
3 - "Perfeitamente imperfeita"
4 - "As maçãs que vêm"
5 - "Sol de verano"
6 - "Bagunça" (feat. Zeca Baleiro)
7 - "Querência" (feat. Iara Rennó)
8 - "Por la luz y por tierra" (feat. Onda Vaga)
9 - "Confusão" (feat. Felipe Cordeiro)
10 - "Apaixonada feito gente não"
11 - "Eu vim saudar" (feat. Tatá Aeroplano)

Avaliação: ruim



Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Continue no blog: