quarta-feira, 3 de abril de 2019

Resenha: Andrew Bird - My Finest Work Yet


Nascido em julho de 1973, Andrew Bird fez parte de alguns conjuntos de jazz e teve uma banda chamada Bowl of Fire -- com três discos de estúdios lançados entre 1998 e 2001. Mas foi na carreira solo que embalou defintivamente, com "Break It Yourself" (2012) como o campeão de vendas. Fazendo trabalhos mais elaborados desde então, ele faz uma espécie de retorno às origens em "My Finest Work Yet", lançado em 22 de março, o 12º trabalho solo.

Ao abrir o disco com "Sisyphus", Bird mostra o caminho escolhido para dar o tom ao álbum. O piano é a base para ajudar uma letra melancólica e nada longe de trabalhos feitos anteriormente, assim como "Bloodless". A segunda faixa apresenta uma abordagem sobre como os seres humanos ainda podem resolver seus atuais problemas sem um derramamento de sangue. A canção tem um refrão bem pop, mas uma outra pegada na segunda metade ao inserir arranjos mais elaborados.

Veja também:
Resenha: American Football - American Football (LP3)
Resenha: Karen O & Danger Mouse - Lux Prima
Resenha: Amanda Palmer - There Will Be No Intermission (NSFW)
Resenha: Rival Sons - Feral Roots
Resenha: Stephen Malkmus - Groove Denied
Resenha: Meat Puppets - Dusty Notes


A capacidade de Bird em conseguir aliar arranjos sofisticados com uma música mais pop também é mostrada em "Olympians", quando ele escolhe a dedo os instrumentos para criar todo um clima antes da explosão do refrão -- esse feito para ser gritado durante os shows. Depois vem a sequência formada pelas melancólicas "Cracking Codes" e "Archipelago" e a agitada "Fallorun".

Melhor do disco, "Proxy War" alia o melhor de Bird em um momento musical de incrível alto nível. O jeito como ele consegue conectar os versos e manter o ótimo arranjo é um trunfo e tanto na manga, diferente da lenta e feita para prestar atenção na letra "Manifest". Para fechar, "Don The Struggle" fala das dificuldades atuais das pessoas e a última é a ótima balada "Bellevue Bridge Club".

Mais um trabalho muito bom de Andrew Bird. E, diferente dos anteriores, tem um clima um pouco mais leve e menos lúdico. Aqui, o destaque vai para os arranjos de ótimo gosto. Enfim, um disco para ouvir por vários dias seguidos.

Tracklist:

1 - "Sisyphus"
2 - "Bloodless"
3 - "Olympians"
4 - "Cracking Codes"
5 - "Fallorun"
6 - "Archipelago"
7 - "Proxy War"
8 - "Manifest"
9 - "Don The Struggle"
10 - "Bellevue Bridge Club"

Avaliação: muito bom




Siga o blog no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Continue no blog: