No YouTube

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Oscar 2017: Nicholas Britell, o pianista clássico que ama hip-hop


Compositor é responsável pela tocante trilha de Moonlight – Sob a Luz do Luar

Contar a história da descoberta da sexualidade de um menino negro que vê sua mãe cada vez mais afundada nas drogas não deve ser fácil. E a trilha sonora deve ser ainda mais difícil. Pois esse foi o trabalho do compositor americano Nicholas Britell, o último perfil dos indicados ao Oscar na categoria neste ano publicado por aqui, ao escrever as canções do filme Moonlight – Sob a Luz do Luar. Em entrevista à 'NPR Music', ele contou como foi o processo de composição das canções.

"Havia essa incrível sensibilidade e ternura no roteiro. Quando o li pela primeira vez, estava carregado por esse sentimento belo e poético. Foi incrível quando vi pela primeira vez os primeiros cortes do filme porque percebi que Barry [Jenkins, o diretor] tinha preservado esses sentimentos no filme. Entre as primeiras coisas que enviei a Barry foi uma música que escrevi, chamada de 'Piano And Violin Poem', porque eu estava meio que tentando canalizar essa ideia, e que virou 'Little's Theme', contou.

Veja também:
Na Prateleira: indicados ao Oscar de Melhor Trilha Sonora
Oscar 2017: Hauschka e Dustin O'Halloran, a dupla que pode fazer história
Oscar 2017: Justin Hurwitz, o novato favorito
Oscar 2017: Thomas Newman, o compositor vivo mais indicado sem vitória
Oscar 2017: Mica Levi, 1ª mulher indicada em Melhor Trilha Sonora desde 2000
Oscar 2017: indicados em Trilha Sonora e Melhor Canção Original
Além de cantor, Frank Sinatra foi ator – e ganhou um Oscar


Outro ponto fundamental foi a estreita colaboração com Jenkins no processo de composição. E ele espera trabalhar com o diretor novamente em breve. "Foi incrível e inesquecível. Barry e eu trabalhamos muito juntos, e essa foi a chave para o processo. Ele mora em Los Angeles, mas foi para Nova York, onde passamos dias inteiros juntos experimentando e tentando coisas. Foi incrivelmente emocionante", disse ele ao site 'Awards Daily'.

"Grande parte da experiência foi a capacidade de trabalhar em estreita colaboração. Quando você faz isso, encontra coisas que nunca teria encontrado de outra forma. Você vem com ideias porque você é capaz de ter uma discussão muito profunda e é capaz de tentar coisas que não pode fazer por e-mail. Você tem que estar lá, tem que tentar coisas juntos. Minha experiência foi um processo profundo. Eu disse a Barry que não posso esperar para voltar a trabalhar com ele", completou.

Britell começou a tocar piano com cinco anos, quando ficou apaixonado pela trilha de Carruagens de Fogo (1981) e pediu aos pais para ter aulas no instrumento. Ele chegou a considerar ser pianista em tempo integral, mas acabou optando por outros caminhos na música. Nesta escolha profissional, estava a ideia de poder usar o hip-hop – uma de suas paixões – como parte de seu trabalho. E isso o ajudou a desenvolver uma rotina para compor que leva consigo até hoje.

"Estava no colégio no início dos anos 1990, e 1993 foi um ano muito grande no hip hop. No início, estava fascinado pelo som e, ao longo dos anos, embora estivesse focado em fazer música clássica na faculdade, fiquei muito inspirado pela ideia de mexer com hip-hop e suas batidas. Um grupo de amigos e eu começamos uma banda de hip-hop na faculdade e fomos bem. Fizemos apresentações e tudo mais, e eu realmente mergulhei no hip-hop nesses anos", disse ele ao site 'Film Music Magazine'.

"Acho que o hábito de escrever música de forma tão contínua, sendo parte de uma banda, foi uma experiência muito formativa para mim, no sentido de que abrir caminho para o tipo de atividade regular de composição que persigo desde então. Foi através da banda que me tornei muito ativo como compositor", finalizou.

Os vencedores do Oscar serão divulgados no dia 26 de fevereiro

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!