No YouTube

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Resenha: Michael Kiwanuka – Love & Hate


Álbum do cantor vem depois do sucesso do anterior, lançado em 2012

Michael Kiwanuka foi uma das grandes revelações da música britânica em 2012, quando foi um dos indicados ao prêmio principal do Mercury Prize daquele ano. Ele retorna quatro anos depois com o esperado Love & Hate, lançado em meio a uma imensa discussão sobre racismo e preconceito pelo mundo.

O coral que abre o disco dá indícios da temática pesada a seguir. A guitarra triste da abertura de "Cold Little Heart" também ajuda a criar esse clima de melancolia e seriedade – isso sem dizer nenhuma palavra. Soando como dividida em duas, a segunda parte abre com um vocal sereno falando sobre idas e vindas, sobre erros cometidos no passado, sobre ser quem ele é hoje. Uma pedrada logo de cara em pouco menos de dez minutos. De temática forte, "Black Man in a White World" serve para refletir esse nosso atual momento, em que os negros estão em busca de maior representatividade na sociedade. Outra pancada musical muito bem criada e desenvolvida.

Veja também:
Resenha: Jeff Beck - Loud Hailer
Resenha: Estranhos Românticos - Estranhos Românticos
Resenha: Tatá Aeroplano – Step Psicodélico
Resenha: The Temper Trap – Thick as Thieves
Resenha: Minor Victories - Minor Victories
Resenha: Bombino – Azel
Resenha: Richard Bona & Mandekan Cubano – Heritage

"Falling" é aquele tipo de soul bem interessante, "Place I Belong" parece ser sobre o tempo, como as coisas caminham rápido e perdemos muito nesse percurso. As duas são carregadas de drama, de uma cantor explorando um estilo vocal suave, mas, ao mesmo tempo, carregado de certa tristeza em cada frase, em cada palavra. "Love & Hate" muito das difere das duas ao usar o jogo de palavras, referências veladas, para tratar de assuntos sérios. Quem canta não quer mais ser derrubado, desprezado, quer algo mais e clama ao demônio para deixá-lo em paz nesse blues rock mais do que tocante.

A esperançosa "One More Night" deseja luz, em vários aspectos da vida, e que todos voltem para suas casas em segurança ao final do dia, mas tudo ganha contornos escuros quando "I'll Never Love" começa - essa tem uma letra que trata o assunto solidão e falta de amor com uma perspectiva bem pessimista. "Rule the World" surge como um complemento da anterior, uma faixa mais reflexiva em que a pessoa pede ajuda para encontrar o caminho da felicidade.

A mistura entre música clássica e R&B dá o tom de "Father's Child", que tem um belo arranjo para envolver o ouvinte emocionalmente, algo completado com as profundas palavras. A ótima "The Final Frame" consegue finalizar o álbum de maneira sublime. Sem nem pestanejar: Love & Hate estará em várias listas dos melhores discos do ano. Profundo, sincero, sereno e forte definem esse discaço.

Tracklist:

1 - "Cold Little Heart"
2 - "Black Man in a White World"
3 - "Falling"
4 - "Place I Belong"
5 - "Love & Hate"
6 - "One More Night"
7 - "I'll Never Love"
8 - "Rule the World"
9 - "Father's Child"
10 - "The Final Frame"

Nota: 4,5/5



Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Esse post foi um oferecimento de Felipe Portes, o primeiro patrão do blog. Contribua, participe do nosso Patreon.