No YouTube

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Resenha: Jeff Beck - Loud Hailer


Guitarrista retorna após seis anos sem álbum de inéditas

Uma das grandes chances que ter um emprego fixo me deu anos atrás foi a de ter dinheiro suficiente para assistir uma apresentação de Jeff Beck da última turnê, do excelente Emotion & Commotion (2010). Desde então, o ótimo guitarrista não lançava um álbum com músicas inéditas, mas a espera acabou na última sexta-feira (15), com Loud Hailer, o 11º disco dele.

Ao fim de "The Revolution Will Be Televised", a primeira canção, uma coisa certa: a parte instrumental do álbum é brilhante. Tentar descrever o que Beck faz com a guitarra é covardia, porque ele é um gênio do instrumento. O vocal de Rosie Bones não incomoda, mas a letra sim. E isso acaba sendo um problema, principalmente por esperar um registro instrumental.

Veja também:
Resenha: Estranhos Românticos - Estranhos Românticos
Resenha: Tatá Aeroplano – Step Psicodélico
Resenha: The Temper Trap – Thick as Thieves
Resenha: Minor Victories - Minor Victories
Resenha: Bombino – Azel
Resenha: Richard Bona & Mandekan Cubano – Heritage
Resenha: Blink-182 – California

Um exemplo desse problema é "Live in the Dark". Caso fosse apenas instrumental, seria ótima. O peso da guitarra cheia de efeitos se complementando com a batida cheia de peso, porém a letra sem graça quebra todo o ímpeto. As seguintes, "Pull It", "Scared for the Children" e "Right Now", funcionam melhor por conseguir aliar melhor as duas coisas.

O blues gospel de "Shame" é encantador, bem construído e bem competente, e a instrumental "Edna" e "The Ballad of the Jersey Wives" traz um vocal feminino muito forte, com um instrumental bem seguro para entregar ao ouvinte uma faixa com peso de todos os lados. A surpreendente "O.I.L." tem o soul como base, e isso faz dela uma canção feita para dançar – algo inesperado, diga-se. A boa "Shrine" usa o gospel para transmitir sua mensagem e fechar as 11 faixas que fazem o álbum.

Esperava mais desse trabalho, porque de Jeff Beck espera-se muita coisa. De modo geral, não é um disco ruim, mas poderia ser muito melhor. As letras, muitas delas bobinhas e sem graça, quebram o ritmo das fortes partes instrumentais. A vocalista é boa, uma pena que sua voz é desperdiçada com composições ruins.

Tracklist:

1 - "The Revolution Will Be Televised"
2 - "Live in the Dark"
3 - "Pull It"
4 - "Thugs Club"
5 - "Scared for the Children"
6 - "Right Now"
7 - "Shame"
8 - "Edna"
9 - "The Ballad of the Jersey Wives"
10 - "O.I.L."
11 - "Shrine"

Nota: 3/5



Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!

Esse post foi um oferecimento de Felipe Portes, o primeiro patrão do blog. Contribua, participe do nosso Patreon.