No YouTube

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Resenha: Silversun Pickups – Better Nature


Uma profusão de bandas surge quase diariamente no mundo, então é praticamente impossível dar conta de tudo. O mais próximo que qualquer blog especializado pode fazer é uma espécie de curadoria do que acha que pode render. Uma das interessantes que descobri esse ano foi o Silversun Pickups, banda de Los Angeles, que lançou Better Nature, quarto disco de estúdio, recentemente (Carnavas, de 2006, Swoon, de 2009, e Neck of the Woods, de 2012, são os anteriores).

  • Gravadora: New Machine
  • Lançamento: 25 de setembro
  • Produção: Jacknife Lee
  • Duração: 51min06
"Cradle (Better Nature)" abre o novo disco com uma pegada eletrônica bem pesada, depois os instrumentos crescem e ganham um ar de synth pop bem atual. Começar assim é uma ótima maneira de mostrar a que veio, ainda mais quando a dançante "Connection" vem na sequência e faz o ouvinte sacudir bastante enquanto a ouve.

Não sei motivo, mas parece uma tendência da moda primavera/verão que os discos desandem na terceira música. "Pins and Needles" é muito ruim, sem graça e parece muitas que já ouvi neste ano mesmo, só que ainda pior. E "Friendly Fires" é uma balada fraca, soando uma mistura muito ruim entre os últimos discos de Coldplay e The Killers. Para fechar esse trio muito ruim, "Nightlight" também não desce bem.

Quando o Silversun Pickups soube trabalhar melhor as melodias e as misturas, o resultado é a ótima "Circadian Rhythm (Last Dance)". O tom de melancolia dançante (lembra os góticos de South Park dançando) consegue agradar muito porque está tudo no tom certo. Uma pena que tudo vai abaixo na seguinte, "Tapedeck", uma cópia barata do 30 Seconds to Mars. "Latchkey Kids" até que funciona por ser animada, mas é só também. As canções "Ragamuffin" e "The Wild Kind" retomam a vibe 30 Seconds to Mars e fecham o disco.

Se decepção tivesse uma foto no dicionário, certamente seria a foto da capa desse disco. Até publiquei aqui algumas apresentações deles em rádios nos Estados Unidos e fiquei bastante empolgado, mas isso foi por água abaixo no disco. Uma pena mesmo que eles soem assim, sem graça, quase o trabalho todo.

Tracklist:

1 - "Cradle (Better Nature)"
2 - "Connection"
3 - "Pins and Needles"
4 - "Friendly Fires"
5 - "Nightlight"
6 - "Circadian Rhythm (Last Dance)"
7 - "Tapedeck"
8 - "Latchkey Kids"
9 - "Ragamuffin"
10 - "The Wild Kind"

Nota: 1,5/5

Brian Aubert: vocais, vocais de apoio e guitarra
Nikki Monninger: baixo, vocais de apoio, vocalista na faixa 6 e vibrafone na faixa 7
Joe Lester: teclado, sintetizadores, bateria eletrônica, sequenciador e vocal de apoio na faixa 5
Christopher Guanlao: bateria e vocal de apoio na faixa 5



Veja também:
Resenha: Gary Clark Jr. – The Story Of Sonny Boy Slim
Resenha: Dead Weather – Dodge and Burn
Resenha: Deerhunter – Fading Frontier
Resenha: ALO – Tangle of Time
Resenha: St Germain – St Germain
Resenha: Tiken Jah Fakoly – Racines
Resenha: Juçara Marçal & Cadu Tenório – Anganga

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.