No YouTube

terça-feira, 28 de abril de 2015

Resenha: Maná - Cama Incendiada


O Maná é uma das poucas bandas de língua espanhola a ultrapassar a barreira cultural brasileira e conseguir adentrar no mainstream, como participar de programas de rádio, TV e fazer sucesso entre o público comum, algo muito raro por esses lados – é dessas coisas que mereceria um estudo aprofundado de teses de pós-graduação ou mestrado.

Até por isso, “Labios Compartidos” virou um grande sucesso e até entrou na trilha de Viver a Vida, da TV Globo, em 2009, e "Vivir Sin Aire" e "Luau in Rio" entraram em Mulheres Apaixonadas e Sabor da Paixão, ambas de 2003. Com a pegada pop que colocou a banda no cenário mundial, eles começam o novo disco com "Adicto a Tu Amor" e seu refrão para lá de grudento, acompanhado de uma batida um tanto chata.

"La Cama Incendiada" mostra o Maná trabalhando como banda, mas é fraca de maneira geral por não apresentar nenhum momento especial ou chamar atenção mesmo. Na terceira faixa ("La Prisión"), temos um ritmo mais dançante com a guitarra ao fundo – para quem gosta de músicas animadas, é a ideal. Se você está passando por algum momento difícil de sua vida, não escute "Ironía", uma balada romântica para fazer chorar até aquela pessoa com coração de pedra. É uma aula de como fazer uma canção desse tipo.

O toque R&B em "Peligrosa" não deixa de surpreender, apesar de ter uma pegada mais pop rock ao melhor estilo que toca por aí, e na sequência "Mi Verdad", típica faixa que o Maná poderia ter lançado em qualquer outro álbum. Neste caso, a participação de Shakira dividindo os vocais acaba dando um toque especial, e em "Suavecito" é uma canção em que os ritmos latinos dominam a melodia do início ao fim.

Mostrando ser uma banda com alta tendência a colocar um refrão na cabeça de qualquer um, eles fazem isso de novo em "La Telaraña", porém pecam em "Electrizado", música sem sal e a mais sem graça de todo álbum. E o disco encerra com "Somos Más Americanos" – ainda tem o remix de "La Telaraña", mas não conta muito –, cover da banda Los Tigres del Norte, que trata da invasão de terras feitas pelos Estados Unidos no século 19, imigração e preconceito aos imigrantes. Não deixa de ser um encerramento de teor político em meio a um trabalho romântico, em sua maioria.

É um disco que deve agradar aos fãs que estão acostumados com o Maná, mas não os que os conhecem apenas pelos hits, já que esse registro não é dos mais inspirados em certos momentos.

Tracklist:

1 - "Adicto a Tu Amor"
2 - "La Cama Incendiada"
3 - "La Prisión"
4 - "Ironía"
5 - "Peligrosa"
6 - "Mi Verdad" (feat. Shakira)
7 - "Suavecito"
8 - "La Telaraña"
9 - "Electrizado"
10 - "Somos Más Americanos"
11 - "La Telaraña" (Remix)

Nota: 2,5/5


Veja também:
Resenha: Gang of Four – What Happens Next
Resenha: Tom Cochrane – Take It Home
Resenha: Snarky Puppy - Sylva
Resenha: The Staves – If I Was
Resenha: Alabama Shakes – Sound and Color
Resenha: Godspeed You! Black Emperor - Asunder, Sweet and Other Distress
Resenha: Prodigy – The Day Is My Enemy

Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!