No YouTube

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Resenha: Pneu - Destination Qualité


Nunca foi tão difícil achar informações sobre uma banda como foi com os franceses do Pneu. Eles têm perfil no Bandcamp e o disco está lá, mas não tem nada além disso. Ainda bem que a internet é incrível quando se trata de armazenar informações relevantes.

Gravado nos Estados Unidos ao longo de 2014, Destination Qualité é o terceiro disco do grupo – antes veio Pince Monseigneur e Highway to Health. Começar o disco com três canções que parecem uma é bem complicado, porque exige muito da banda. Mas eles conseguiram. "Municipal Geographic", "Pyramide banane chocolat" e "Catadioptre ambidextre" são três faixas arrebatadores, cheias de distorções, punk e shoegaze misturados em uma coisa só. Há muito tempo não ouvia algo assim.

Para quem gosta de música instrumental alternativa de alto nível, "Gin tonique abordable" é uma aula de como uma banda é capaz de fazer uma canção excelente com poucos instrumentos na melodia. A bateria comanda tudo em "Futur plus tard", mas a guitarra distorcida dá seu show à parte dando à canção um ritmo maravilhoso.

O punk continua em "Temple machine", enquanto “The Biggest, the Ankle" trabalha mais o estilo alternativo com elementos diferentes. Com participação de Pete Simonelli, vocalista do Enablers, "Hinges" é a única canção com vocal. E soa muito, muito mesmo como Velvet Underground. Mais melódica do que as anteriores, "Astronimism" encerra muito bem esse terceiro disco do Pneu.

É muito difícil achar bandas novas que tentam algo diferente. E diferente falo de não empunhar um violão e sair cantando ou fazer canções facilmente radiofônicas. O trabalho do Pneu neste álbum é belíssimo, uma aula de música instrumental de qualidade. Talvez ninguém tenha ideia desses caras, talvez ninguém vá lembrar desse disco na semana que vem. Mas para quem gosta de música, como é meu caso, descobrir uma banda nova que faz uma coisa totalmente fora da curva ainda dá esperanças de continuar escrevendo e procurando coisa nova.

Tracklist:

1 - "Municipal Geographic"
2 - "Pyramide banane chocolat"
3 - "Catadioptre ambidextre"
4 - "Gin tonique abordable"
5 - "Futur plus tard"
6 - "Temple machine"
7 – “The Biggest, the Ankle"
8 - "Hinges" (feat. Pete Simonelli)
9 - "Astronimism"

Nota: 5/5


Veja também:
Resenha: Jair Naves – Trovões A Me Atingir
Resenha: John Carpenter – John Carpenter’s Lost Themes
Resenha: Vijay Iyer Trio – Break Stuff
Resenha: Elenowen – For The Taking
Resenha: The Sidekicks – Runners In The Nerved World
Resenha: Bob Dylan - Shadows in the Night

Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!