No YouTube

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Resenha: Jair Naves – Trovões A Me Atingir


"É um disco sobre paixões, transformações, percalços, provações, renascimento. Sobre as mudanças impostas pela passagem do tempo, pela vivência, pela sucessão de experiências. Uma imagem onírica que permaneceu viva na minha cabeça no período de composição e gravação dessas músicas, de que eu não consigo dissociá-las", diz a descrição que está no site de Jair Naves.

Trovões A Me Atingir é o segundo disco solo do ex-Ludovic. O cantor e compositor já fez muita coisa na carreira, mas conseguiu bastante destaque quando lançou seu primeiro trabalho, E Você Se Sente Numa Cela Escura, Planejando a Sua Fuga, Cavando o Chão Com as Próprias Unhas, em 2012.

Com uma boa dose de pós-punk, "Resvala" começa forte, e Naves mostra, de cara, a potencia de sua boa voz. O cantor chama atenção por ter um estilo vocal muito diferente de seus contemporâneos. A boa dose pop em "5/4 (Trovões Vêm Me Atingir)", principalmente pelo uso equilibrado da guitarra, mostra que esse estilo de cantar à la Lou Reed nunca sairá de moda.

"Incêndios (O Clarão de Bombas a Explodir)” é rock, é pop, é MPB, e tudo isso faz uma ótima canção, bem diferente de “B.”, a mais delicada de todo álbum. Nela, Barbara Eugênia dá o ar da graça e coloca uma leveza inesperada. Uma das melhores canções lançadas neste início de ano, certamente. A balada "Prece Atendida" traz aquele sentimento de reviver algumas lembranças do passado – o arranjo dessa música é espetacular.

O sintetizador com o vocal gritado dá uma cara quase punk para "Em Concerto", que deve ficar ainda melhor com o improviso da parte final durando mais tempo nas apresentações. Mais uma balada, mas com um quê de MPB, "Deixe/Force" é aquela que sai da alma. Outra canção muito boa, assim como "No Meu Encalço" – outra em que ao vivo deve ficar acima da média. Para encerrar, "Um Trem Descarrilhado" é quase um drama que poderia estar em um livro.

Quando alguém muda muito, é difícil, às vezes, aceitar. Mas o caso de Jair Naves foi para melhor. Todas as influências foram bem colocadas e funcionam muito bem nesse segundo trabalho solo. A voz, então, nem se fala. De longe, ele é o melhor cantor dessa nova geração. E, além disso, as composições falam por si só – elas merecem ser ouvidas, não explicadas. Enfim, já é um dos discos brasileiros do ano.

Tracklist:

1 - "Resvala"
2 - "5/4 (Trovões Vêm Me Atingir)"
3 - "Incêndios (O Clarão de Bombas a Explodir)”
4 - "B."
5 - "Prece Atendida"
6 - "Em Concerto"
7 - "Deixe/Force"
8 - "No Meu Encalço"
9 - "Um Trem Descarrilhado"

Nota: 4,5/5


Veja também:
Resenha: John Carpenter – John Carpenter’s Lost Themes
Resenha: Vijay Iyer Trio – Break Stuff
Resenha: Elenowen – For The Taking
Resenha: The Sidekicks – Runners In The Nerved World
Resenha: Bob Dylan - Shadows in the Night
Resenha: Natalie Prass - Natalie Prass

Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!