No YouTube

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Resenha: John Carpenter – John Carpenter’s Lost Themes


Sim, é o John Carpenter que vocês estão pensando. Ele mesmo, o diretor de Dark Star (1974), Assalto à 13ª DP (1976), Halloween - A Noite do Terror (1978), Fuga de Nova York (1981), Starman - O Homem das Estrelas (1984) e Eles Vivem (1988) e referência de nove entre dez pessoas que desejam fazer filmes usando o terror como gênero base.

John Carpenter’s Lost Themes é a estreia de Carpenter, 67, na música. E, como não poderia deixar de ser, esse primeiro álbum só poderia ser baseado em canções instrumentais recheadas de mistério, paradas estratégicas e, claro, um pouco de terror e muito de eletrônico.

O piano e muitos elementos trazidos do eletrônico são a base de "Vortex", faixa que abre o trabalho. Cheia de nuances e elementos interessantes, "Obsidian" está na linha tênue entre o psicodélico e o eletrônico – dá até para colocá-la em uma mistura com os dois. Funciona muito bem, principalmente por conseguir equilibrar bem tudo isso.

"Fallen" é quase uma ópera de tão intensa, enquanto "Domain" é mais sombria e soa mais como um lado B de Rush com muitos efeitos eletrônicos ao fundo. E "Mystery" soa como uma continuação da anterior, mas apelando ainda mais para melodias feitas no computador.

Particularmente, o clima meio espacial de "Abyss" me agrada muito. Algum filme de ficção científica precisa aproveitar essa música porque ela pode casar muito bem com o filme, dependendo de certos aspectos, claro. Sétima faixa, "Wraith" puxa mais para um lado do eletrônico que não gosto muito: o meio exagerado, quase querendo ser algo épico e deslumbrante.

Pode até não ter existido a intenção, mas o nome "Purgatory" cabe muito bem na faixa porque é um tanto sombria, mas uma pena que o encerramento é muito fraco. "Night" não passa nem perto das melhores canções e fica muito abaixo do restante do álbum. Uma pena encerrar com essa má impressão.

O disco é bom, de maneira geral. Não é nenhuma obra-prima, mas é importante ver as referências que Carpenter carregou consigo ao longo da vida para fazer esse primeiro álbum. Se você curte música eletrônica com toques de progressivo e psicodelia, ouça sem medo.

Tracklist:

1 - "Vortex"
2 - "Obsidian"
3 - "Fallen"
4 - "Domain"
5 - "Mystery"
6 - "Abyss"
7 - "Wraith"
8 - "Purgatory"
9 - "Night"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Vijay Iyer Trio – Break Stuff
Resenha: Elenowen – For The Taking
Resenha: The Sidekicks – Runners In The Nerved World
Resenha: Bob Dylan - Shadows in the Night
Resenha: Natalie Prass - Natalie Prass
Resenha: Gov’t Mule featuring John Scofield – Sco-Mule

Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!