No YouTube

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Resenha: Enter Shikari - The Mindsweep


O Enter Shikari é dessas bandas que misturam rock, punk, metal, eletrônico e tudo que há direito em sua música. Para encaixá-los em um gênero, chamam o que eles fazem de post-hardcore. Até A Flash Flood of Colour, lançado em 2012, eles nunca tinham impressionado muito mais do que um nicho específico de público, mas o sucesso do último álbum deu uma impulsionada na carreira deles e mais gente passou a prestar mais atenção.

O início com "The Appeal & the Mindsweep I" lembra muito o Linkin Park, que nunca mais conseguiu repetir o mesmo sucesso gigantesco de dez, 15 anos atrás – até o vocal gritado é igual. O tom épico parece muito com de algumas bandas de power metal... Enfim, quase tudo incomoda do início ao fim da faixa. E nada melhora em "The One True Colour", que usa dos mesmos artifícios da anterior para construir melodia e letra.

A aparição de música eletrônica como base de "Anaesthetist" não soa muito melhor do que aconteceu até aqui, ainda mais com essa pseudocópia de System Of A Down (SOAD). Do vocal a melodia, tudo soa como se fosse um cover da banda liderada por Serj Tankian. Em "The Last Garrison" temos a mistura (?) entre 30 Seconds to Mars e Linkin Park, algo de péssimo gosto, principalmente pelo tom épico fofo feito para meninas de 12 anos.

"Never Let Go of the Microscope" é quase a metade do álbum e um pedido vem à cabeça: quanto falta para acabar mesmo? Essa mistura de elementos precisa ser muito bem feita para nada cobrir ou se destacar muito durante a audição, mas eles falharam miseravelmente. Enfim, uma surpresa e uma coisa boa: "Myopia" mostra um lado não explorado deles, um lado bem mais eletrônico – pendendo para Radiohead –, uma pena que os gritos e vontade de ser Chester Bennington do vocalista acaba com qualquer chance de uma boa canção.

A vontade de ser o SOAD não tem fim, ficando ainda mais claro na sequência "Torn Apart", "Interlude", "The Bank of England", e "There's a Price on Your Head" sucessões de cópias do estilo, sendo a última a que mais se assemelha. Depois de todos os gritos, guitarras pesadas, efeitos, overdubs, eles me vêm com uma balada no piano. Parece piada, mas não é. Sabe o que é pior? A canção se transforma em mais uma mistura de 30 Seconds to Mars com Linkin Park. Uma lástima. O encerramento, com "The Appeal & the Mindsweep II", me deu muito, mas muito sono. E ainda bem que acabou.

Sério que eles lançaram esse trabalho tão ruim depois do bom A Flash Flood of Colour. Parece tudo muito pasteurizado, sem graça, copiado de algum lugar, sem novidade e sem vida. Os fãs podem até gostar, mas é um álbum bem esquecível.

Tracklist:

1 - "The Appeal & the Mindsweep I"
2 - "The One True Colour"
3 - "Anaesthetist"
4 - "The Last Garrison"
5 - "Never Let Go of the Microscope"
6 - "Myopia"
7 - "Torn Apart"
8 - "Interlude"
9 - "The Bank of England"
10 - "There's a Price on Your Head"
11 - "Dear Future Historians..."
12 - "The Appeal & the Mindsweep II"

Nota: 0/5



Veja também:
Resenha: Mark Ronson – Uptown Special
Resenha: Björk – Vulnicura
Resenha: Jazmine Sullivan - Reality Show
Resenha: Chris Potter Underground Orchestra – Imaginary Cities
Resenha: Sleater-Kinney – No Cities To Love
Resenha: Panda Bear - Panda Bear Meets the Grim Reaper

Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!