No YouTube

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Resenha: Tony Allen – Film Of Life


Quando se é parceiro de Fela Kuti por quase uma vida, é muito difícil não aprender alguma coisa. Quando se é considerado um dos melhores bateristas de todos os tempos, com Brian Eno tecendo inúmeros elogios, é possível que seu trabalho solo seja ótimo. Esses dois itens resumem bem a carreira de Tony Allen, um dos grandes músicos nascidos na África em todos os tempos.

Nigeriano de nascimento, ele trabalhou como engenheiro de som em uma estação de rádio local, juntou-se a Kuti nos anos 1960 para formar uma banda que fazia uma espécie de jazz africano. Para quem não conhece, procure a discografia do Africa '70. Do Afrobeat ao Afrofunk, Allen é uma lenda e juntou um monte de gente bacana em Film Of Life, seu 18º trabalho de estúdio solo.

O coro feminino dá todo o tom de "Moving On", faixa de abertura. Mas, claro, a letra sempre acaba ficando em segundo plano quando há uma melodia tão bem compassada e tão bem ritmada. Não se vê isso por esses lados. O estilo de vocal de Allen aparece em "Boat Journey", momento em que o baixo reina absoluto, enquanto em "Tiger's Skip" o sintetizador e efeitos eletrônicos dominam toda melodia.

Sombria e apenas instrumental, "Ewa" arrepia um pouco pelo tom usado, mas é muito boa. Também na linha do instrumental, "Afo KunfFu Beat" é mais feliz e cheia de ginga – outra em que o sintetizador é usado muito bem –, já "Koko Dance" tem muito da influência africana e do ritmo que dominou o continente nos anos 1960 e 1970. É como uma volta ao passado.

Com participação de Damon Albarn, um profundo estudioso da música africana, "Go Back" reflete o atual momento o vocalista do Blur ao apostar em faixas mais trabalhadas e calmas como em seu primeiro disco solo lançado neste ano. A oitava faixa, "Ire Omo", traz a ótima participação do grupo feminino Adunni & Nefertiti fazendo todos os vocais. Como não conheço, o comentário que posso dizer é que me espanta como elas não estão fazendo mais sucesso.

A brilhante instrumental "African Man" é o contraponto a "Tony Wood" e sua bela letra. Elas encerram muito bem esse excelente álbum, um dos melhores do ano. Com mais esse feito em sua carreira gigante, Tony Allen mostra que ainda é relevante às novas gerações e ainda consegue fazer música de qualidade ao invés de sentar nos louros de seu passado.

Tracklist:

1 - "Moving On"
2 - "Boat Journey"
3 - "Tiger's Skip"
4 - "Ewa"
5 - "Afo KunfFu Beat"
6 - "Koko Dance"
7 - "Go Back" (Damon Albarn)
8 - "Ire Omo" (Adunni & Nefertiti)
9 - "African Man"
10 - "Tony Wood"

Nota: 4,5/5



Veja também:
Resenha: Smashing Pumpkins – Monuments To An Elegy
Resenha: Stu Larsen – Vagabond
Resenha: She and Him – Classics
Resenha: John Coltrane - Offering: Live at Temple University
Resenha: TV On The Radio – Seeds
4 em 1: ruido/mm, Alice Caymmi, Criolo e Tom Zé




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!