No YouTube

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Resenha: Smashing Pumpkins – Monuments To An Elegy


Nos últimos anos, o Smashing Pumpkins virou muito mais um projeto solo de Billy Corgan. Talvez algo ligado ao ego do vocalista – nunca me esqueci de uma entrevista que li dele na Rolling Stone USA (há uma tradução dela no site da edição brasileira da revista). Por isso, sempre olhei com desconfiança os recentes álbuns.

Um exemplo da atual irregularidade de Corgan é Oceania, o último disco antes de Monuments To An Elegy. É cheio de altos e baixos e, em alguns momentos, mostra que ele ainda pode ser o cara de antes. Mas, ao mesmo tempo, mostra que ele ainda está na fase de errar e acertar em seu novo projeto à frente de seu grupo.

A melodia de "Tiberius" até que é interessante, principalmente por soar mais pesado e mais próximo do Smashing Pumpkins do passado do que qualquer coisa. Além disso, usar as guitarras para isso foi uma boa sacada de Corgan. Sem perceber, "Being Beige" começa no mesmo ritmo. Um começo e tanto, e surpreendente, para esse álbum.

Terceira faixa, "Anaise!" tem um quê de Red Hot Chili Peppers, mas, claro, não chega aos pés do que a banda californiana fez em seus melhores anos. Retornando ao básico, "One and All (We Are)" é outra que o velho estilo reaparece com força total. Indo para um lado completamente oposto, "Run2Me" é recheada de elementos do final dos anos 1980, como teclados e sintetizadores, além de uma melodia épica. Bem, mas bem passável.

Outras cheias de referências à música feita há quase 40 anos são "Drum + Fife" e "Monuments", sendo a segunda com um teclado um tanto irritante. Com ar pop, "Dorian" tem cara de hit, basta trabalhar bem nela – também porque é mais uma que parece coisa do passado do grupo –, assim como "Anti-Hero", outra boa faixa com guitarras altas. Obviamente, não é o melhor disco do Smashing Pumpkins e não chega nem perto disso. Mas depois de todo experimentalismo dos últimos álbuns, é muito bom ver Billy Corgan apostando em um trabalho seguro e sem tantos absurdos.

Tracklist:

1 - "Tiberius"
2 - "Being Beige"
3 - "Anaise!"
4 - "One and All (We Are)"
5 - "Run2Me"
6 - "Drum + Fife"
7 - "Monuments"
8 - "Dorian"
9 - "Anti-Hero"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Stu Larsen – Vagabond
Resenha: She and Him – Classics
Resenha: John Coltrane - Offering: Live at Temple University
Resenha: TV On The Radio – Seeds
4 em 1: ruido/mm, Alice Caymmi, Criolo e Tom Zé
Resenha: Racionais MC's - Cores & Valores




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!