quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Resenha: Prince - Art Official Age


Depois de lançar um disco com a 3rdeyegirl, Prince também lançou um disco, mas esse solo. Se PLECTRUMELECTRUM foi o 34ª disco da carreira do cantor e compositor, Art Official Age é o 33º, pela ordem que ele mesmo estabeleceu. Será que ele conseguiu dar conta de dois trabalhos ao mesmo tempo?

"Art Official Cage" começa com um ar épico e caminha até chegar em um funk. A mistura entre o ritmo eternizado por Prince com um quê de eletrônica é bem interessante e serve como mostra do que virá pela frente. A ótima "Clouds" também segue uma linha mais dançante, exatamente o que espero do cantor.

O bom refrão de "Breakdown" consegue carregar a faixa, uma típica balada feita para dançar junto com o parceiro, já "The Gold Standard" é outra feita para dançar. Aliás, as quatro primeiras canções mostram como Prince está disposto a caminhar entre diversos ritmos musicais freneticamente. Um exemplo mais claro dessa mudança é "U Know", em que ele flerta com pop, rap e R&B em pouco menos de quatro minutos. Uma loucura.

Um R&B bem leve faz de "Breakfast Can Wait" uma boa faixa, mas só. Não há nada que impressione, a não ser que ela serve para dançar. Até que tentei, ouvi três vezes – talvez seja eu –, porém "This Could B Us" não me convenceu nenhum pouco. Tem um bom refrão pop e melodia fácil, e só, mesmo com sua cara de single de sucesso. Uma preguiça só

Outra que soa muito preguiçosa é "What It Feels Like", muito parecida com outras lançadas nos dois trabalhos. Depois do interlúdio "affirmation I & II", vem a melancólica "Way Back Home", configurando mais um acerto no álbum. Uma canção que gosto muito do Prince, lançada já nos anos 2000, é “Musicology”. E "Funknroll" tem uma pegada bem parecida. É empolgante, refrão fácil e parece ter feita sobmedida para atrair todo tipo de público. É a melhor do trabalho.

As duas últimas faixas, "Time" e "affirmation III", são propostas diferentes. A primeira é outra balada bem previsível, enquanto a outra vem com um quê moderno, principalmente na melodia, e uma letra melancólica. Duas canções abaixo do esperado para alguém como Prince.

Se PLECTRUMELECTRUM consegue ser empolgante, dançante e cheio de energia, Art Official Age até que tenta chegar perto disso em alguns momentos, principalmente no início. O problema está na segunda metade do trabalho. Irregular não é bem a palavra, mas há altos e baixos imperdoáveis para alguém do calibre de Prince. É um bom trabalho e só.

Tracklist:

1 - "Art Official Cage"
2 - "Clouds"
3 - "Breakdown"
4 - "The Gold Standard"
5 - "U Know"
6 - "Breakfast Can Wait"
7 - "This Could B Us"
8 - "What It Feels Like"
9 - "affirmation I & II"
10 - "Way Back Home"
11 - "Funknroll"
12 - "Time"
13 - "affirmation III"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Prince e 3RDEYEGIRL – PLECTRUMELECTRUM
Resenha: Joe Bonamassa - Different Shades of Blue
Resenha: Leonard Cohen – Popular Problems
4 em 1: Ryan Adams, Alt-J, Pulled Apart By Horses e Owen Pallett
Resenha: Death from Above 1979 – The Physical World
Resenha: BANKS – Goddess




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+ e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!