No YouTube

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Resenha: Death from Above 1979 – The Physical World


Dez anos depois do ultimo trabalho e três anos após o retorno, ainda não sabemos se em definitivo, o Death from Above 1979 continua com a mesma proposta de quando surgiu: guitarras altas e muito barulho em suas canções. Por isso, há muita expectativa de quem os ouviu no passado para saber se haverá continuidade no trabalho.

A boa primeira faixa, "Cheap Talk", mostra como o Death from Above 1979 voltou em boa forma e como a desconfiança de um disco ruim cai por terra com menos de um minuto de audição. Forte e cheia de energia, ela pega na medida certa por não ser piegas ou feita para impressionar os fãs. O nível continua muito bom na dançante "Right On, Frankenstein!", momento em que a guitarra aparece ainda melhor.

Em "Virgins", aparece uma dúvida: e se o Black Keys tivesse feito esse disco? O quão exaltado o duo seria? A canção é muito boa ao misturar estilos, principalmente na melodia – rapidez e calmaria. Curta, rápida e rasteira, essa é "Always On", outra que não poupa esforços para manter o ouvinte satisfeito, assim como a excelente "Crystal Ball".

A balada "White Is Red", segunda maior canção do trabalho, é mais cheia de elementos e bem mais lenta que as anteriores. É até um pouco estranho ouvi-la, mas dá para se acostumar numa boa. Então, tudo normaliza na já conhecida "Trainwreck 1979" – uma ótima escolha para single, aliás. "Nothin' Left" usa os mesmos artifícios das outras e é apenas regular.

Com ar punk, "Government Trash" é ideal para sair pulando por aí sem motivo. Outra canção acima da média. Um pouco inferior, "Gemini" deve soar bem melhor ao vivo, já o encerramento, "The Physical World", mostra exatamente o que é o álbum: equilibrado e acima da média.

Um comentário sobre esse disco: escutem, por favor. Vocês não perderão seu tempo.

Tracklist:

1 - "Cheap Talk"
2 - "Right On, Frankenstein!"
3 - "Virgins"
4 - "Always On"
5 - "Crystal Ball"
6 - "White Is Red"
7 - "Trainwreck 1979"
8 - "Nothin' Left"
9 - "Government Trash"
10 - "Gemini"
11 - "The Physical World"

Nota: 4/5



Veja também:
Resenha: BANKS – Goddess
Resenha: Robert Plant & The Sensational Space Shifters – Lullaby and… The Ceaseless Roar
4 em 1: Malta, O Clube, Moreno Veloso e Erasmo Carlos
Resenha: The Wytches - Annabel Dream Reader
Resenha: Ryan Adams – Ryan Adams
Resenha: The Kooks – Listen




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+ e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!