No YouTube

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Resenha: BANKS – Goddess


Indicada pela BBC como uma das cantoras para ficar de olho em 2014, Banks demorou muito para soltar seu primeiro trabalho solo e até levantou algumas dúvidas se sairia mesmo neste ano. Mas saiu. Depois de um single, um EP e cinco músicas de trabalho, finalmente a cantora colocou no mundo Goddess.

Começar com uma faixa perigosamente chata, como é o caso de "Alibi", é um problema. Sabe quando a música não embala e você torce para acabar o mais rápido possível? Pois é. É aquela com ares pop-retrô-moderno sem graça e sem sal. Não muito diferente, mas com aquele ar dream pop já eternizado por Lana Del Rey, a faixa-título do trabalho também é bem sonolenta.

Enfim, uma canção em que o nível apresentado é minimamente aceitável. O ar épico e as camadas e nuances de "Waiting Game" a transformam em algo bem interessante de ser ouvido, não a bobagem das duas faixas anteriores. A já conhecida "Brain" não traz nada de novo, então pouco acrescenta no álbum como um todo.

"This Is What It Feels Like" é outra que não empolga, ao contrário, deprime muito o ouvinte. A sonolenta "You Should Know Where I'm Coming From" é outra que pinta com ares épicos, mas é muito chata. Até que o nível melhora na próxima, "Stick", que serve para aliviar a tortura que foi ouvir a primeira metade do disco.

A sonolência retorna em "Fuck Em Only We Know" e "Drowning". O propósito de ter tanta música chata ainda é um mistério. Com ar pop, "Beggin for Thread" até que é melhor em comparação com outras, porém não é aquela maravilha. Isso muda na boa “Change”, um sopro de bom gosto em um mar de ruindade.

Em uma mudança completa de ritmo e inspiração, "Someone New" é acústica e... bonita. Uau. Como o resto do disco não é assim é um mistério. Em "Warm Water", Banks encontrou o ponto certo de suas canções com esse estilo dream pop. Uma pena que muito tarde. Encerrando, a boa balada "Under the Table" é toda no piano, mostrando a delicadeza e bom gosto da cantora.

O problema desse disco é a falta de novidade, de material inédito. Tudo que está aqui foi lançado nos últimos dois anos – seja em singles ou EP. Não há nada de novo, nada que chame atenção, nada que faça a diferença. Se você ouviu todas essas canções separadas, saberá que tê-las juntas ou não, não fará a menor diferença. As três últimas canções ainda são interessantes, mas o resto é apenas desperdício de tempo.

Tracklist:

1 - "Alibi"
2 - "Goddess"
3 - "Waiting Game"
4 - "Brain"
5 - "This Is What It Feels Like"
6 - "You Should Know Where I'm Coming From"
7 - "Stick"
8 - "Fuck Em Only We Know"
9 - "Drowning"
10 - "Beggin for Thread"
11 - "Change"
12 - "Someone New"
13 - "Warm Water"
14 - "Under the Table"

Nota: 1,5/5



Veja também:
Resenha: Robert Plant & The Sensational Space Shifters – Lullaby and… The Ceaseless Roar
4 em 1: Malta, O Clube, Moreno Veloso e Erasmo Carlos
Resenha: The Wytches - Annabel Dream Reader
Resenha: Ryan Adams – Ryan Adams
Resenha: The Kooks – Listen
Resenha: U2 – Songs of Innocence




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+ e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!