terça-feira, 14 de outubro de 2014

Resenha: The New Pornographers - Brill Bruisers


O New Pornographers é mais uma dessas bandas que apareceu bem, mas acabaram sumindo do mapa nos últimos quatro anos. De maneira surpreendente, eles saíram lançando clipe e anunciando disco e um monte de novidades, que aconteceram, de fato, em agosto, quando Brill Bruisers saiu. É o sexto disco de estúdio deles.

"Brill Bruisers" dá nome ao disco, o que não pode ser considerado uma surpresa porque o bom nível da canção é um excelente começo para o disco. Os vocais de apoio e a boa melodia são mostras de que há certo refinamento no som deles, o que é ótimo. A balada futurista "Champions of Red Wine" chama atenção pelo bom uso dos recursos eletrônicos. É o caso de saber usar, não apenas de colocá-los para mostrar alguma coisa.

O fácil refrão e a melodia grudenta são os pontos altos de "Fantasy Fools", um pop tecnológico com um quê indie anos 2000. Muito bom mesmo. Outra canção difícil de sair da cabeça é ótima "War on the East Coast", um momento mais cheio de instrumentos do que de camadas. O início com ar Daft Punk jogaria responsabilidade em "Backstairs", mas a mudança de mão para um som épico diminui um pouco isso. Mesmo assim, é uma canção que poderia ser um tantinho mais curta.

Na metade do disco, "Marching Orders", a banda mostra-se um pouco perdida ao ficar repetindo a mesma coisa na letra da sexta faixa. Basicamente, ela não sai do lugar e acaba sendo puro desperdício de tempo. O ótimo interlúdio "Another Drug Deal of the Heart" antecipa mais uma boa canção com apelo pop: a simples "Born with a Sound".

Depois de um pedaço do trabalho com faixas longas, eles se acertaram, acredite, nas mais curtas. Um exemplo é "Wide Eyes" e sua ótima melodia tranquila e suave e letra sem rodeios ou coisa parecida. A dançante "Dancehall Domine" agita bastante a parte final do disco de maneira surpreendente e chama o ouvinte para pular junto, enquanto "Spidyr" tenta colocar um tom mais épico e recheado de instrumentos. Já "Hi-Rise" parece trilha sonora de algum filme ou seriado, incrível como é possível imaginar algumas cenas com essa música de fundo. O clima Hot Chip volta em "You Tell Me Where", última do trabalho.

O disco surpreende por ter um bom apelo pop, diferente do esperado. As letras de fácil acesso e as boas melodias contribuem de maneira positiva na audição. O ponto negativo é que eles se enrolaram um pouco quando tentaram um rebuscamento ou algo parecido. Se o disco é bom? É ótimo, só tem alguns deslizes perdoáveis.

Tracklist:

1 - "Brill Bruisers"
2 - "Champions of Red Wine"
3 - "Fantasy Fools"
4 - "War on the East Coast"
5 - "Backstairs"
6 - "Marching Orders"
7 - "Another Drug Deal of the Heart"
8 - "Born with a Sound"
9 - "Wide Eyes"
10 - "Dancehall Domine"
11 - "Spidyr"
12 - "Hi-Rise"
13 - "You Tell Me Where"

Nota: 4/5



Veja também:
Resenha: Weezer - Everything Will Be Alright in the End
Resenha: Tony Bennett e Lady Gaga - Cheek to Cheek
Resenha: Johnny Marr – Playland
Resenha: Tweedy – Sukirae
Resenha: Slash feat. Myles Kennedy and The Conspirators - World on Fire
4 em 1: Gerard Way, Lenny Kravitz, Ace Frehley e Fu Manchu




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+ e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!