No YouTube

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Resenha: Tatá Aeroplano – Na Loucura e Na Lucidez


Tatá Aeroplano é mais um desses músicos multifunções que está em várias bandas quase que ao mesmo tempo. Além disso, ele soltou seu primeiro disco solo, um dos melhores trabalhos lançados no Brasil no último ano. No pique, como diria aquele comentarista, o cantor não perdeu tempo e, poucos meses depois, coloca na praça seu segundo álbum solo.

Não sei se alguém fez essa comparação antes, mas “Na Loucura” parece ter muita influência dos Mutantes, grande banda brasileira dos anos 1960 e 1970. Pela delicadeza e ares psicodélicos, soa muito como uma composição de Arnaldo Baptista. É um bom começo. Cheia de camadas e com uma história dramática, "Amiga do Casal de Amigos" mantém o mesmo estilo do início com uma longa parte instrumental no final.

"A Hora que Eu Te Espero" conta com toques poéticos, mas, diferente das outras, não apela tanto para camadas e distorção no início e vai para uma linha acústica. Uma virada acontece no final e as vozes, mais os instrumentos tocados de maneira suave, dão um belo final. Outra que puxa para o lado psicodélico é "Mulher Abismo", apesar de ter um ar popular dos anos 1970 – algo na linha de Odair José, por exemplo.

Mais rock do que as anteriores, "Entregue a Dionísio" é um pedido para a amada (ou amante) e faixa tem grande potencial radiofônico, porque é mais animada e mais acessível do que as outras. Por outro lado, é a mais fraca até aqui exatamente pelos motivos citados antes. "Onde Somos Um" volta ao popularismo da quarta canção e, para quem gosta desse tipo de faixa, é um prato cheio.

A boa "Perdidos na Estrada" também tem como mote uma história de amor, porém o que pega mesmo é a melodia. Esse ar de antiguidade dá uma cara de filme/novela/seriado sobre a época em que nossos pais eram jovens. Se as sete primeiras canções celebravam o amor e citavam seus percalços, "Na Lucidez" é um tapa na cara do ouvinte em uma letra ótima. O único pecado é ser tão longa e pesada – mais curta e seria ótima.

Com ares de Brasil dos anos 1970, o novo disco de Tatá Aeroplano parece ter sido feito para ser tocado ao vivo pelas nuances, camadas e letras. O cantor consegue, apesar de um ponto mais baixo aqui e acolá, trazer o ouvinte para refletir e pensar algumas coisas. Se tem alguém que vive grande fase, esse alguém é Tatá Aeroplano.

Tracklist:

1 - "Na Loucura"
2 - "Amiga do Casal de Amigos"
3 - "A Hora que Eu Te Espero"
4 - "Mulher Abismo"
5 - "Entregue a Dionísio"
6 - "Onde Somos Um"
7 - "Perdidos na Estrada"
8 - "Na Lucidez"

Nota: 3,5/5



Veja também:
Resenha: Sinéad O’Connor – I’m Not Bossy, I’m The Boss
Resenha: Antemasque – Antemasque
4 em 1: Twin Peaks, Hot Action Cop, David Grissom e Have a Nice Life
Resenha: Sérgio Mendes – Magic
Resenha: The Raveonettes – Pe’ahi
Resenha: Johnny Cash – Out Among The Stars




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram e no G+