No YouTube

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Resenha: Sérgio Mendes – Magic


Há mais de 50 anos morando nos Estados Unidos, Sérgio Mendes é daqueles caras que a música brasileira deveria agradecer de joelhos por sua contribuição ao legado da MPB. Trazido de volta ao mainstream pela parceria que fez com o Black Eyed Peas, o músico lançou Magic, seu 39º disco de estúdio recheado de parceiros – de Will I Am a Milton Nascimento.

"One Nation" abre Magic de maneira que a esperança de um bom disco escorre pelo ralo com menos de um minuto. A canção é fraquíssima e tão pobre de tudo, que não sei como deixaram entrar no trabalho. Se a música que abre é tão ruim, o que esperar do resto? De "My My My My Love", por exemplo, nada. É horrível, sem o menor conteúdo, mas deve fazer a festa das baladas por aí.

Mais do que esperava para o disco, John Legend aparece cantando uma mistura de samba com bossa nova na razoável "Don't Say Goodbye". Ainda é muito pouco, porém é um começo, ainda que tardio. Por incrível que possa parecer, a melhor parceria de Mendes até aqui no disco é com Seu Jorge em “Sou Eu”. É exatamente o que esperava desse trabalho: algo leve, misturando samba, jazz e bossa nova, não a zona do início.

Gracinha Leporace aparece na mediana "When I Fell in Love", que é mais do mesmo, enquanto a lamentável participação de Maria Gadu em “Meu Rio” não acrescenta em nada, não chama a atenção e não deveria estar ali. Apesar disso, não duvido que essa canção esteja sendo preparada para ser single. A faixa-título é instrumental e conta com a brilhante participação de Scott Mayo no saxofone, e chega a ser um alento em um mar de mediocridade.

A animada "Samba de Roda" é divertida por ter várias referências ao Brasil e consegue dar uma levantada no astral do álbum. Estava bom para ser verdade até que Ana Carolina aparece em "Atlantica", fazendo a qualidade do trabalho despencar ladeira abaixo sem dó nem piedade. Até que Milton Nascimento tenta salvar um pouco as coisas na simples e bonitinha “Olha a Rua”.

A mediana "Hidden Waters" não consegue chamar atenção por ser bossa nova para gringo ouvir. Por fim, “Simbora” soa como trilha para novela das 21h da TV Globo por ter uma letra fraca e típica de Carlinhos Brown. Um triste encerramento, mas que condiz bem com o fraco trabalho feito em Magic. Para quem esperava algo cheio de classe, esse disco é completamente descartável e sem sentido algum. Não mancha a discografia de Sérgio Mendes, mas também não condiz com seu brilhante trabalho.

Tracklist:

1 - "One Nation" (feat. Carlinhos Brown)
2 - "My My My My Love" (feat. Will I Am)
3 - "Don't Say Goodbye" (feat. John Legend)
4 - "Sou Eu" (feat. Seu Jorge)
5 - "When I Fell in Love" (feat. Gracinha Leporace)
6 - "Meu Rio" (feat. Maria Gadu)
7 - "Magic" (feat. Scott Mayo)
8 - "Samba de Roda" (feat. Aila Menezes & Gracinha Leporace)
9 - "Atlantica" (feat. Ana Carolina)
10 - "Olha a Rua" (feat. Milton Nascimento)
11 - "Hidden Waters" (feat. Gracinha Leporace)
12 - "Simbora (feat. Carlinhos Brown)

Nota: 1,5/5



Veja também:
Resenha: The Raveonettes – Pe’ahi
Resenha: Johnny Cash – Out Among The Stars
4 em 1: Jason Mraz, Ted Nugent, Broilers e Afterhours
Resenha: Capital Inicial - Viva a Revolução EP
Resenha: Eric Clapton and Friends - The Breeze: An Appreciation of J.J Cale
Resenha: Tom Petty and the Heartbreakers - Hypnotic Eye




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram e no G+