No YouTube

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Resenha: Eric Clapton and Friends - The Breeze: An Appreciation of J.J Cale


Imaginem a seguinte situação: você está perto da aposentadoria e, no meio disso tudo, seu amigo e parceiro musical de longa data morre. O que fazer depois desse baque? Resgatar a memória dele seria o mínimo. E foi exatamente o que Eric Clapton fez alguns meses depois de perder J.J Cale, autor de sucessos cantados pelo guitarrista. Clapton chamou alguns amigos e fez um disco só com canções de Cale – algumas conhecidas outras não.

"They Call Me the Breeze", que ganhou dois clipes, sendo um deles muito triste, abre os trabalhos como J.J Cale gostaria: sem frescura, sem efeitos, sem nada de tecnologia. Apenas Clapton, sua banda e uma faixa remetendo ao blues dos anos 1950 com belos riffs de guitarras. Com a companhia de Tom Petty, o guitarrista divide os vocais em "Rock and Roll Records". E ninguém melhor para tocar essa mistura entre blues e country do que Petty.

Mark Knopfler assume os vocais em "Someday", e sua voz rouca conduz bem a canção, mas talvez Clapton poderia ter dado outro tom à ela. Outra que teria ficado melhor apenas com o ex-Cream nos vocais seria “Lies”, porém a participação de John Mayer – um que precisa se decidir se será bluesman ou o novo Bon Jovi – não estraga tanto. Só um pouco.

Don White abrilhanta bastante as participações especiais na ótima releitura de "Sensitive Kind" ao conseguir passar todo sentimento que letra e melodia exigem. Bom mesmo nesse trabalho é ouvir Eric Clapton dando o ar da graça, e a versão para "Cajun Moon", mais acelerada, é poesia para os ouvidos. Curta e com o solo na hora certa, é possível sair dançando pela sala tranquilamente.

Se um veredito pode ser dado para John Mayer passe a frequentar o panteão do blues, a resposta é: ainda não. Ele pode ter talento, boa voz e fazer canções acima da média, mas falta algo em "Magnolia". Não sei se o termo é esse, talvez falte a sujeira do blues para ele. Não dá para ser um bluesman quando se ainda tem letras de menino criado em apartamento. Uma dica para ele aprender bastante é ouvindo "I Got the Same Old Blues", com Clapton e Patty novamente. É uma aula.

Um encontro de gerações é entre Eric e Willie Nelson, dois patrimônios da música de raiz. Não há como não se emocionar ouvindo"Songbird" com a gaita ao fundo emu ma canção acústica. Uma felicidade incrível esse encontro, que é separado em "Since You Said Goodbye", quando Clapton aproveita seu momento solo para fazer uma espécie de desabafo – algo essencial no blues.

O country "I'll Be There (If You Ever Want Me)" ganha um belo dueto entre White e Clapton, enquanto Petty também retorna, mas na sombria "The Old Man and Me". O trio Mark Knopfler, Don White e Eric Clapton parece exatamente o esperado de um trabalho como esse, mesmo uma regravação: um grupo de amigos que estão ali fazendo exatamente o que a vida os permitiu fazer, e isso fica claro na regravação de "Train to Nowhere". Ao contrário da proposta da letra, eles chegam a algum lugar, sim. No topo, no caso.

Nelson também faz seu retorno na tocante "Starbound", assim como Mayer na animada "Don't Wait". Por fim, “Crying Eyes” encerra com uma mensagem enorme: It ain't easy drying these crying eyes of mine/ It ain't easy drying these crying eyes of mine/ I get so lonely, lonely, lonely/ It ain't easy drying these crying eyes of mine/ What can you do when those tears make you blind/ What can you do when those tears make you blind/ I get so lonely, lonely, lonely/ What can you do with these crying eyes of mine. É isso.

Apesar de um desagrado ou outro, esse disco que Eric Clapton fez em homenagem a seu melhor amigo é uma das boas coisas que ele poderia ter feito por Cale. Sem choro, sem lamentos, apenas aquele tristeza que só um verdadeiro amamente do blues poderia fazer por alguém.

Tracklist:

1 - "They Call Me the Breeze"
2 - "Rock and Roll Records"
3 - "Someday"
4 - "Lies"
5 - "Sensitive Kind"
6 - "Cajun Moon"
7 - "Magnolia"
8 - "I Got the Same Old Blues"
9 - "Songbird"
10 - "Since You Said Goodbye"
11 - "I'll Be There (If You Ever Want Me)"
12 - "The Old Man and Me"
13 - "Train to Nowhere"
14 - "Starbound"
15 - "Don't Wait"
16 - "Crying Eyes"

Nota: 3,5/5



Veja também:
Resenha: Tom Petty and the Heartbreakers - Hypnotic Eye
4 em 1: Tune-Yards, Buffalo Killers, Guided By Voices e The Souljazz Orchestra
Resenha: Ratos de Porão – Século Sinistro
Resenha: 5 Seconds of Summer – 5 Seconds of Summer
Resenha: Far From Alaska – modeHuman
4 em 1: Cynic, Catherine Russell, Laura Cantrell e Icarus The Owl




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram e no G+