Mais do blog:

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Resenha: Klaxons – Love Frequency


Após aparecer em 2006, o Klaxons nunca esquentou muito a cabeça em lançar discos a cada dois anos, por exemplo, ou em se manter visível na mídia. Aliás, a impressão que passa é que a banda gosta de trabalhar com calma e aparecer apenas na hora certa, exatamente como ocorreu no lançamento de Love Frequency, terceiro álbum de estúdio deles.

Conhecido pelos singles mais agitados e dançantes, o Klaxons começa seu novo trabalho um pouco mais calmo em "A New Reality", mas não menos dançante e empolgante. A faixa começa lenta e cresce muito bem, sendo quase impossível não de deixar contagiar. O mesmo pode ser dito para a ótima "There Is No Other Time", que deve fazer muito sucesso nas pistas de dança pelo mundo.

O bom início é completado com a ótima "Show Me A Miracle", um dos bons acertos do grupo na discografia, um pouco diferente de "Out Of The Dark", que, assim como muitas coisas desse ano, parece algo reciclado do Hot Chip. Uma pena o ritmo ser quebrado por uma faixa tão abaixo das expectativas, a coisa até melhora em "Children Of The Sun", mas não muito.

Em "Invisible Forces" tudo volta ao normal e podemos dizer que o álbum volta a ser dominado pelo Klaxons, não algo que parece o grupo. E o bom momento continua na boa"Rhythm Of Life", misturando bastante elementos do rock com eletrônico, algo que anda na moda na Inglaterra nos últimos quatro anos, pelo menos.

A instrumental "Liquid Light" antecede a ótima "The Dreamers", que não peca nem mesmo por ser repetitiva – é uma canção que coloca tons de psicodelia, algo sempre válido quando usado bem. Soando uma continuação da anterior, "Atom To Atom" não é tão boa, por isso acaba servindo apenas para encher o trabalho, o oposto da faixa-título por encerrar o álbum de maneira satisfatória.

O Klaxons conseguiu fazer um trabalho superior ao último, mostrando que melhoram a cada ano. E isso provoca uma discussão interessante: soltar singles e discos todo ano ou concentrar as forças em um álbum? O grupo escolheu a segunda opção e está se dando muito bem.

Tracklist:

1 - "A New Reality"
2 - "There Is No Other Time"
3 - "Show Me A Miracle"
4 - "Out Of The Dark"
5 - "Children Of The Sun"
6 - "Invisible Forces"
7 - "Rhythm Of Life"
8 - "Liquid Light"
9 - "The Dreamers"
10 - "Atom To Atom"
11 - "Love Frequency"

Nota: 3,5/5



Veja também:
Resenha: Linkin Park – The Hunting Party
Resenha: Mastodon – Once More ‘Round The Sun
4 em 1: A Sunny Day In Glasgow, Brian Eno & Karl Hyde, The Horrors e Sebastian Bach
Resenha: Pitty – SETEVIDAS
Resenha: Ed Sheeran – X
Resenha: Skank – Velocia