quinta-feira, 19 de junho de 2014

Resenha: Bob Mould – Beauty and Ruin


Bob Mould é um dos bastiões do rock undergound. Aos 53 anos e com um currículo de dar inveja (ele foi cantor do Sugar e do Hüsker Dü), Mould ainda tem gás para lançar bons trabalhos, participar de alguns (entre eles, o último do Foo Fighters) e descarregar toda raiva e emoção que está dentro de si.

O início de "Low Season" engana um pouco, mas logo aparece o peso da maior faixa do disco – mais de quatro minutos. Ela se mantém na medida certa, nem leve, nem pesada. Um belo início. Tudo fica ainda melhor em "Little Glass Pill", uma típica canção punk, e isso mostra que Mould sempre estará do lado bom da força.

Já "I Don't Know You Anymore" mostra que o cantor e compositor sempre terá a sacada de fazer canções para adultos que nunca cresceram. Continuando com o peso e força, "Kid with Crooked Face" é ainda mais rápida e rasteira do que as duas anteriores. Uma beleza para pular e gritar durante qualquer show. A calmaria volta em "Nemeses Are Laughing", que tem uma bela letra.

"The War" lembra muito o trabalho que Dave Grohl faz no Foo Fighters – peso sem soar chato e letras que falam sobre a vida sem soar piegas. Assim como a seguinte, "Forgiveness". Estamos diante de um disco recheado de sinceridade e canções matadoras, o que não é desmentido em "Hey Mr. Grey" – particularmente, adoro canções com personagens e essa é uma das boas.

Usando de uma fórmula conhecida, "Fire in the City" é a mais pop de todo disco. E até por esse detalhe, acaba sendo a mais fraca. Não que também não seja boa, ela apenas está um nível abaixo das outras. O bom de um trabalho empolgante é que ele não cai de nível, e isso fica ainda mais claro em "Tomorrow Morning", outro punk lindo de ouvir. A acústica "Let the Beauty Be" traz a tranquilidade que só a idade pode dar a alguém que ainda sabe o que faz com uma guitarra, enquanto  boa "Fix It" coloca um ponto final em um dos bons discos deste ano.

Se ainda existia algum tipo de mágoa ou demônio para exorcizar, Bob Mould acabou com tudo isso em Beauty and Ruin. Já conhecido por gerações mais antigas, ele, neste novo álbum, tem grande chance de ficar mais conhecido por uma nova geração de fãs. E se aos 53 anos ele faz esse tipo de disco, parece não haver limites para ele. Ainda bem.

Tracklist:

1 - "Low Season"
2 - "Little Glass Pill"
3 - "I Don't Know You Anymore"
4 - "Kid with Crooked Face"
5 - "Nemeses Are Laughing"
6 - "The War"
7 - "Forgiveness"
8 - "Hey Mr. Grey"
9 - "Fire in the City"
10 - "Tomorrow Morning"
11 - "Let the Beauty Be"
12 - "Fix It"

Nota: 4/5



Veja também:
Resenha: Lana Del Rey – Ultraviolence
Resenha: Kasabian – 48:13
4 em 1: The War On Drugs, Cloud Nothings, Russian Red e Black Lips
Resenha: Parquet Courts – Sunbathing Animal
Resenha: The Birds of Satan – The Birds of Satan
Resenha: Jack White – Lazaretto