No YouTube

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Resenha: Eagles of Death Metal – Zipper Down


Não é possível considerar o Eagles of Death Metal uma superbanda, apesar de muita gente importante da música atual ter passado por lá, mas é um projeto bem interessante da dupla Jesse Hughes e Josh Homme, que nem sempre conseguem reunir-se para tocá-lo da maneira adequada por conta de suas outras ocupações – no caso de Homme, o Queens of the Stone Age.

Então o anúncio de Zipper Down, quarto disco de estúdio deles, não deixou de ser surpreendente. E ainda mais surpreendente é a turnê deles, com datas preenchidas até novembro deste ano. Filho do Kyuss e primo do QOTSA, o EODM começa o novo trabalho em "Complexity", uma mistura entre música de garagem e o chamado desert rock, mas bem mais animado.

Mais pesada, quase um heavy metal e muito próximo do que Homme fez em duas bandas, "Silverlake (K.S.O.F.M.)" ganha muito com a voz de Hughes, enquanto os solos de guitarra bem lentos dão o tom. Em uma virada completa, "Got a Woman" é veloz e está mais para um punk do que para qualquer outra coisa, já "I Love You All The Time" é bem típica do gênero feito no deserto, que ganhou força no início dos anos 1990.

"Oh Girl" soa uma sobra de estúdio ou alguma coisa assim, por não ter absolutamente nada a mais ou menos do que qualquer coisa que Josh Homme já não tenha feito em toda sua carreira, fechando um início um tanto irregular do álbum. A seguinte, "Got the Power", também entra na mesma questão da anterior... Mas ela é muito boa. É quase uma trilha moderna para um filme ou série em que boa parte das cenas se passa nas estradas americanas.

A partir daqui, o disco embala de vez. "Skin-Tight Boogie" tem um vocal feminino muito bom dando apoio ao vocal principal – ele ganha seu momento mais à frente. Por fim, a parte instrumental também é bem acima da média. A curta, veloz e intensa "Got a Woman (Slight Return)" serve de abertura para dançante e outra boa "The Deuce". E até um cover de Duran Duran, "Save a Prayer", conseguiu espaço no disco. Se a versão original nasceu, viveu e morreu em algum lugar nos anos 1980, a do EODM ganha em força e ficou superior.

A animada e cheia de guitarras altas "The Reverend" encerra Zipper Down, que não impressiona no início, mas ganha muita qualidade na parte final, e isso deixa bem claro que a banda pode, e deveria, fazer mais shows e estar mais ativa por aí – não apenas esporadicamente.

Tracklist:

1 - "Complexity"
2 - "Silverlake (K.S.O.F.M.)"
3 - "Got a Woman"
4 - "I Love You All The Time"
5 - "Oh Girl"
6 - "Got the Power"
7 - "Skin-Tight Boogie"
8 - "Got a Woman (Slight Return)"
9 - "The Deuce"
10 - "Save a Prayer" (Duran Duran cover)
11 - "The Reverend"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Jimi Tenor & UMO – Mysterium Magnum
Resenha: New Order – Music Complete
Resenha: Daby Touré – Amonafi
Resenha: Kurt Vile – B’lieve I’m Goin Down...
Resenha: Yo La Tengo – Stuff Like That There
Resenha: a-ha – Cast In Steel
Resenha: Ryan Adams – 1989

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.