No YouTube

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Resenha: Mariana Aydar – Pedaço Duma Asa


Pode não parecer, mas 2015 é o nono ano do disco de estreia de Mariana Aydar. De lá para cá, diria o poeta das ruas, muita coisa mudou no mundo, inclusive a própria cantora. Em Cavaleiro Selvagem Aqui te Sigo, de 2011, ela tentou sair um pouco do samba, mas sabemos que o samba não sai de você. Então, Aydar tentou equilibrar mais as coisas em Pedaço Duma Asa, quinto trabalho de estúdio.

Ela começa o novo trabalho com a curta "Mamãe Papai", que funciona como um prefácio do disco e para pegar o embalo para "Dedo Duro", essa mesclando mais o samba e com imenso destaque para percussão. Depois de três canções, aí incluindo "Poeira", fica claro que os tons melancólico e reflexivo serão os dois pilares de sustentação do álbum.

"Atrás Dessa Amizade" soa muito como alguma das muitas músicas cantadas por Maria Bethânia ao longo de sua carreira. E, não, não é uma comparação. E, sim, a música é bem boa. Já "Samba Triste" é... Bem triste. Mesmo. O violão cria todo um clima em que é muito difícil o ouvinte não ficar pensativo e prestando atenção na letra romântica que pode fazer muitas pessoas chorarem. E ela ainda passa a impressão de ter duas partes – a partir dos três minutos, a música ganha uma nova parte, ainda mais dolorida.

Praticamente colada com a anterior, "Saiba Ficar Quieto" soa uma continuação e é tão triste e reflexiva quanto, e "Isso Pode" é aquele samba pesado que conta com um pandeiro meio macabro ajudando na melodia, que ganha peso quando chega no refrão ao ser ajudado pela guitarra alta, enquanto a faixa-título tem aquela melancolia meio estranha e difícil de ser digerida. Mas quando embala, até que cai bem.

Com um quê de algum ritual africano ou religião afro-brasileira, "Dentro das Rosas" é um dos bons acertos desse álbum, principalmente pela parte instrumental que se segue depois da letra. Outro ótimo momento é "Caia na Risada" e seu balanceado entre intensidade e calmaria, e, por fim, a ótima "Cabou" e uma versão de "Barulho Feio", de Romulo Fróes, colocam um ponto final no álbum. É um disco triste, mas aquele triste bonito, bem trabalhado, tudo no lugar e especialmente melancólico, diretamente para as pessoas de coração partido.

Tracklist:

1 - "Mamãe Papai"
2 - "Dedo Duro"
3 - "Poeira"
4 - "Atrás Dessa Amizade"
5 - "Samba Triste"
6 - "Saiba Ficar Quieto"
7 - "Isso Pode"
8 - "Pedaço Duma Asa"
9 - "Dentro das Rosas"
10 - "Caia na Risada"
11 - "Cabou"
12 - "Barulho Feio"

Nota: 4/5


Veja também:
Resenha: Jackie Greene – Back to Birth
Resenha: Public Enemy – Man Plans God Laughs
Resenha: Julieta Venegas – Algo Sucede
Resenha: The Fratellis – Eyes Wide, Tongue Tied
Resenha: Cidadão Instigado – Fortaleza
Resenha: Archivist - Archivist
Resenha: Natalie Imbruglia – Male