No YouTube

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Resenha: …And You Will Know Us By the Trail of Dead – IX


Conheci o …And You Will Know Us By the Trail of Dead ouvindo o Garagem há muitos anos, e é uma das bandas que sempre fico de olho quando sai alguma coisa. Lost Songs, lançado há dois anos, é muito bom e superou minhas expectativas.

Neste ano, depois de certo suspense, eles lançaram o trabalho de maneira interativa no site – para quem quisesse, havia a chance de montar a capa do álbum em um esquema de quebra-cabeça. Agora é o jeito saber se as canções são boas.

A excelente "The Doomsday Book" abre os trabalhos de maneira primorosa, mostrando que eles ainda seguem ótimos como conjunto, já a sequência, com "Jaded Apostles", mostra uma faixa quase psicodélica e apostando em uma melodia forte e cheia de energia. Mas o ritmo diminui um pouco na boa "Lie Without A Liar", digamos a mais pop até aqui.

Em "The Ghost Within", a calmaria se mantém. Até a hora da virada para a segunda parte, quando a canção cresce e vira quase um épico. Um bom épico, aliás. Então acontece uma mudança, e vemos uma banda delicada e usando a suavidade da guitarra em "The Dragonfly Queen", outra boa que poderia tocar nas rádios brasileiras sem medo.

Como é de praxe em alguns trabalhos, o Trail of Dead aposta em uma canção instrumental. E a ótima "How To Avoid Huge Ships" deveria servir de molde para qualquer um que deseja trabalhar com essa variedade musical. Tudo é muito bem afiado e sem firulas. Ao acertar com firmeza na letra e na melodia em "Bus Lines", está claro que essa banda merece mais atenção dos críticos.

O auge de IX está em "Lost In The Grand Scheme" e sua incrível mistura. Aqui, há uma gama de influências, camadas e uma melodia que te prende do início ao fim, além da boa letra. Que música, que música. Para surpresa, a ópera rock "Like Summer Tempests Came His Tears" emociona de uma maneira inexplicável. E ela emenda com a pop "Sound Of The Silk", que encerra o álbum.

Esse novo trabalho do Trail of Dead está excelente. Não apenas por conseguir trazer muitas coisas diferentes, mas, também, por ter algumas canções pop que podem facilmente ultrapassar a barreira do preconceito pelo nome do grupo e fazer sucesso por aí. Um ótimo álbum, com toda certeza.

Tracklist:

1 - "The Doomsday Book"
2 - "Jaded Apostles"
3 - "A Million Random Digits"
4 - "Lie Without A Liar"
5 - "The Ghost Within"
6 - "The Dragonfly Queen"
7 - "How To Avoid Huge Ships"
8 - "Bus Lines"
9 - "Lost In The Grand Scheme"
10 - "Like Summer Tempests Came His Tears"
11 - "Sound Of The Silk"

Nota: 4/5



Veja também:
Resenha: Billy Idol – Kings & Queens of the Underground
4 em 1: Memórias de um Caramujo, Mônica Salmaso, Policromo e Submarinos
Resenha: Melvins – Hold It In
Resenha: Mark Lanegan Band – Phantom Radio
Resenha: Thurston Moore – The Best Day
Resenha: Thom Yorke – Tomorrow’s Modern Boxes




Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+ e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!