Notícias do dia #133


Boa notícia

Volker Bertelmann, o Hauschka, foi confirmado na trilha sonora do filme alemão "All Quiet on the Western Front".

Novo original Netflix, longa estreia ainda em 2022 na plataforma de streaming.

Girl Power!

Em outro original Netflix, "Slumberland" terá a trilha sonora composta por Pinar Toprak. O novo longa de Francis Lawrence ainda não tem data de estreia.

Quero ver

Compositor de "Titane", Jim Williams será o responsável pelos temas originais de "Resurrection", novo filme de Andrew Semans. O elenco conta com Rebecca Hall, Tim Roth, Grace Kaufman, Michael Esper e Angela Wong Carbone.

Confirmado para estrear no Festival de Cinema de Sundance, o longa ainda não tem data para o circuito comercial.

Estou no Twitter e no Instagram. Ouça o podcast, compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Seguindo

O segundo filme de Olivia Wilde como diretora terá um compositor de peso: John Powell estará em "Don’t Worry Darling".

O estrelado elenco conta com Florence Pugh, Harry Styles, Chris Pine, KiKi Layne, Gemma Chan, Chris Pine, Nick Kroll e a própria Wilde. A Warner agendou a estreia para 23 de setembro.

Que pena

Após o baterista Bill Kreutzmann deixar a turnê do Dead and Company no México por recomendação médica, outro integrante deixou a banda.

O guitarrista e vocalista John Mayer testou positivo para COVID-19 e precisou abandonar os shows do Playing in the Sand.

"Viemos aqui para nos divertir. Infelizmente, alguns de nossos irmãos não podem ir, mas teremos muita diversão é o que teremos", disse o guitarrista Bob Weir, em nota.

Olha só

Judy Collins confirmou para 25 de fevereiro o lançamento de "When I Was a Girl in Colorado", 29º álbum de estúdio da carreira.

Diferentemente dos outros, esse será o primeiro com 100% de canções originais compostas por ela.

Vai dar pano para manga

Grupos de pessoas em vários estados nos Estados Unidos abriram processo contra a Live Nation Entertainment, dona da Live Nation e da Ticketmaster, por "práticas de vendas predatórias".

O processo argumenta que a Live Nation e a Ticketmaster, unidas em uma só empresa há mais de uma década, tem força para intimidar locais de venda de ingressos a usar exclusivamente os serviços oferecidos por eles e ainda usam do "medo de retaliação em shows e eventos futuros".

O documento também alega ver um "esquema anticompetitivo extremamente bem-sucedido que ameaça colocar quase todos os serviços de bilheteria das principais salas de shows nos EUA sob controle monopolista da Ticketmaster".

É o segundo processo do tipo aberto contra a empresa em menos de dois anos. Com recurso ainda aberto, o resultado da primeira ação não foi divulgado pela justiça.

As informações são da 'Billboard' e 'NME'.

Clique aqui para ler a edição anterior.

Continue no blog: