Mais do blog:

terça-feira, 10 de junho de 2014

Resenha: Jack White – Lazaretto


Jack White acabou com o White Stripes, mas seguiu sua vida e preparou com cuidado sua estreia solo. Mudando de vermelho para azul e utilizando duas bandas de apoio – uma apenas com homens e outra apenas com mulheres –, o cantor, compositor, produtor e gerente de loja vem atraindo novos fãs nos últimos dois anos, além de ser considerado um dos últimos guardiões da música de raiz. Depois de Blunderbuss, agora ele lança Lazaretto, seu segundo disco solo.

Não é difícil identificar que "Three Women" é uma canção de Jack White, porque ela carrega todos os elementos que o cantor gosta de usar – piano, bateria e sua voz perfeitamente reconhecível. Um blues rock cheio de energia é uma bela maneira de abrir um trabalho. Já a faixa-título poderia ter entrado em Blunderbuss por combinar bem o estilo do primeiro álbum. Como canção, ela não tem muitas novidades, mas White segue mostrando que é muito bom no que faz, mesmo quando se repete.

Saindo do blues e indo para o country, "Temporary Ground" também não tem novidades. O vocal de apoio feminino e a delicadeza da guitarra são outras marcas do cantor, e o que chama atenção mesmo é a bonita letra e a forma como ele canta/declama os versos em uma bela interpretação. Ainda na linha country de Nashville, "Would You Fight for My Love?" começa bem lenta até que cresce e o piano ganha outras companhias na faixa.

Não seria surpresa se a instrumental "High Ball Stepper" estivesse na curta discografia do Dead Weather. Ela soa como um imenso improviso e funciona muito bem, enquanto "Just One Drink" é a mais pop, vamos colocar assim. Não à toa, foi escolhida, e bem, para ser o primeiro single – e aqui, voltamos ao blues. "Alone in My Home" é outra que poderia fazer presença no primeiro disco solo de White e não tem nada que chame atenção, bem diferente de "Entitlement", um folk bem simples e tranquilo, quase um standard moderno. E se há um pouco de Dead Weather, também há um pouco de Raconteurs em "That Black Bat Licorice", principalmente no estilo da guitarra e da forma do vocal.

Primeira faixa com teor e melodia mais pesados, "I Think I Found the Culprit" usa de tudo um pouco entre piano, bateria de blues e guitarra, além de White dar uma bela interpretação – é possível imaginá-la encerrando o primeiro bis do show, por exemplo. Por fim, "Want and Able", canção mais curta de Lazaretto, coloca um bom ponto final ao disco.

Lazaretto é a sequência perfeita para Blunderbuss por manter o mesmo tipo e nível de faixas, mas uma coisa já me preocupa: e se Jack White não conseguir se renovar no próximo trabalho. Não existe problema algum em se repetir, mas um cara como ele, que tem dois projetos paralelos e canta com grandes músicos, ficar só no blues, country e folk é muito pouco. Mas falando apenas do segundo disco solo: é um ótimo trabalho, sem dúvida.

Tracklist:

1 - "Three Women"
2 - "Lazaretto"
3 - "Temporary Ground"
4 - "Would You Fight for My Love?"
5 - "High Ball Stepper"
6 - "Just One Drink"
7 - "Alone in My Home"
8 - "Entitlement"
9 - "That Black Bat Licorice"
10 - "I Think I Found the Culprit"
11 - "Want and Able"

Nota: 4/5



Veja também:
4 em 1: Adrenaline Mob, Maxïmo Park, Paloma Faith e Wild Beasts
Resenha: Swans – To Be Kind
Resenha: Titãs – Nheengatu
Resenha: Paolo Nutini - Caustic Love
4 em 1: Robert Ellis, Noah Gundersen, The Men e Eric Church
Resenha: Coldplay – Ghost Stories