sexta-feira, 12 de julho de 2013

Discos para história: Thriller, de Michael Jackson (1982)

A oitava edição do Discos para história vai contar como nasceu o maior álbum da música pop. Thriller não só colocou Michael Jackson entre os astros, como mudou o pop para sempre ao elevar o patamar das coisas.

História do disco

Criança prodígio da Motown, Michael Jackson lançou quatro discos solos quando ainda estava com seus irmãos no Jackson 5. Em 1975, ele deixou uma das gravadoras mais bem sucedidas da história para assinar com a Epic, subsidiária da CBS, e 1979 veio o primeiro grande sucesso: Off The Wall vendeu absurdos pelo mundo, e ali começava a criação do que viria a ser uma das maiores lendas da cultura pop.

Entre o período do sucesso de um álbum e outro, Michael passou por uma transformação em sua imagem. De menino frágil e voz baixa, ele passou por um treinamento vocal feroz e se empenhou em se transformar no maior dançarino do mundo – não existe uma coreografia de Jackson que não tenha sido cuidadosamente trabalhada e elaborada por ele.

Em abril de 1982, o cantor se juntou a Quincy Jones, renomado produtor e arranjador, para trabalhar no sucessor de Off The Wall. Ali começava o que viria a ser, até os dias atuais, o maior reinado da história do pop. Com Thriller, Jackson não mudou apenas a história da música, mas da indústria. Ao todo, Jones, Rod Temperton e ele tinham mais de 30 canções. Logo nas primeiras reuniões, algumas foram cortadas e chegou-se a nove faixas.


Cada canção do trabalho não teria que ser apenas boa, por isso o padrão foi o mais alto possível, o que acabou dificultando um pouco as gravações e a pós-produção – tudo deveria estar perfeito para Michael Jackson. Com uma quantia muito satisfatória do selo para gravar o trabalho, ninguém poupou dinheiro na hora de contratar os melhores músicos, produtores e engenheiros de som. Ninguém tinha ideia, mas ali começava um pouco do que viria ser o cantor nos próximos trabalhos: rios de dinheiro rolando.

A primeira canção a ser gravada foi “The Girl is Mine”, que contou com a colaboração de Paul McCartney – tempos depois, o ex-beatle acabou sendo passado para trás pelo então amigo na compra dos direitos das músicas de sua antiga banda. Outra participação ilustre foi a presença de Eddie Van Halen em “Beat It”. De férias e entediado, o guitarrista do Van Halen foi convidado por Quincy para tocar, porém, pensando que era um trote, xingou o renomado produtor de imbecil. Jones insistiu e obteve uma resposta positiva, e o disco ganhou um dos riffs mais conhecidos da história da música. Eddie não foi creditado e não ganha nada pelos direitos autorais – opção dele, diga-se.

A mudança de postura de Jackson foi tanta, que ele abandonou o antigo visual e ganhou uma cara moderna para o que se via na época. Outra coisa importante foi a mudança musical que aconteceu entre um disco e outro, e fica claro que Off The Wall e Thriller são completamente opostos. Enquanto um é mais romântico, o sexto álbum de estúdio do cantor ganhou tons mais escuros para transformá-lo em astro do pop.

Concluído no início de novembro de 1982, o álbum foi colocado nas lojas no final daquele mês. No auge das vendas, Thriller vendia um milhão de cópias por semana, e sete singles chegaram ao primeiro lugar das paradas – sendo um substituído pelo outro. Naquele ano, não existia uma pessoa no mundo que não conhecia Michael Jackson, e se não conhecia, passou a conhecer. Até hoje, com o aumento do poder de consumo de tudo mais, nenhum outro artista conseguiu superar as marcas de Thriller – o álbum mais vendido na história, que ainda vende 130 mil cópias por ano.

Além dos números impressionantes nas vendas, Jackson também inovou em outra coisa: nos clipes. Com a MTV ainda pequena nos Estados Unidos, não existia demanda e a emissora suplicava aos artistas que gravassem alguma coisa para preencher a programação. Também com uma quantia absurda da gravadora, ele não poupou esforços para fazer história. E fez.

“Beat It” e “Billie Jean” já teriam sido suficientes para alterar o patamar das coisas, mas os envolvidos foram além: o épico curta-metragem de “Thriller” é de uma qualidade absurda, e a coreografia dos zumbis dançando é imitada e revista até os dias atuais. Enfim, o ano era 1982 e a música pop nunca mais foi a mesma.


Resenha de Thriller

A primeira canção é “Wanna Be Startin' Somethin'” é a única que remete ao passado, ou a Off The Wall. Com elementos da disco, do funk, arranjos de Michael Jackson, percussão do brasileiro Paulinho da Costa e o sax de Manu Dibango, a faixa é uma belíssima entrada e, digamos, a despedida oficial do cantor de sua época de Motown. A parte final é de “Soul Makossa”, composição que está no álbum solo de Dibando.

Em “Baby Be Mine” é o início da história que acabaria em “The Girl Is Mine”. Enquanto a primeira é uma mescla de funk e disco bem interessante, a segunda é um pop em sua essência. O primeiro single do disco fazia parte de um projeto de união das raças e contra o preconceito racial, e explodiu nas rádios. As vozes diferentes em sincronia de Michael e McCartney e os arranjos casaram muito bem – à época, ela não foi bem recebida pelos críticos. Depois dessas três canções para aquecer, vem a sequência mais matadora de todos os tempos: “Thriller”, “Beat It” e “Billie Jean”.

De Temperton, “Thriller” tinha o nome de “Starlight” e tudo girava em torno do título, o que seguiu na mudança de nome. De mais uma de amor, a faixa virou uma canção que coloca o clima de terror mais a mistura de funk com disco, e os efeitos são geniais ao fundo. A voz de fundo na parte final é de Vincent Price, conhecido por suas atuações em filmes de terror.



A sequência continua com a absurdamente boa “Beat It”, e só o riff de Eddie Van Halen já vale a pena, e ela fala sobre muitas coisas que envolviam a vida de Michael Jackson, como as surras que levava do pai. Mesmo sendo uma música para dançar, essa mistura entre R&B e rock nada mais era que um desabafo de anos e anos de sofrimento em casa.

A história de “Billie Jean” é composta por duas partes: a primeira é que é uma homenagem as groupies que acompanhavam os Jackson 5 durante as turnês; a segunda é que Quincy Jones não a queria em Thriller. Mesmo com Jackson oferecendo mais dinheiro, o produtor não cedeu e a gravação foi paralisada por algumas semanas. Acompanhado pelo baixista Louis Johnson e pelo saxofonista Tom Scott, o cantor gravou esse belo R&B e provou que estava certo. A música é tão incrível, que a base da linha de baixo foi usada em “We Are the World”.

Após três músicas incríveis, Thriller ganha leveza em "Human Nature", uma balada romântica muito bem executada, enquanto a rapidez e a disco voltam em “P.Y.T. (Pretty Young Thing)”, faixa inspirada no filme O Mágico de Oz e penúltimo single. Além de contar com toques de eletrônico, a canção tem as participações de Janet e La Toya Jackson, irmãs mais novas de Michael. Para encerrar, “The Lady in My Life” retorna ao início do trabalho: uma balada leve e bem feita.

Thriller consolidou Michael Jackson não só no mercado, mas inseriu o cantor de vez na cultura pop. A vida do cantor nunca mais seria a mesma depois deste trabalho, e isso seria significativo na vida dele nos anos seguintes. Morto em 2009, ele colecionaria fracassos nos anos seguintes, mas ninguém jamais esqueceu que Jackson mudou os rumos da indústria e, a partir daquele momento, seria chamado de gênio e aclamado por multidões pelo mundo inteiro.



Me siga no Twitter e no Facebook e assine o canal no YouTube. Compre livros na Amazon e fortaleça o trabalho do blog!

Saiba como ajudar o blog a continuar existindo

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!