Mais do blog:

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Resenha: The Birds of Satan – The Birds of Satan


Taylor Hawkins deixou de ser o baterista da turnê de Alanis Morissette para se juntar ao Foo Fighters no final dos anos 1990. Algum tempo depois, ele teve a chance de cantar sua primeira música, no projeto acústico Skin and Bones, e, desde então, vem tendo seu momento solo nos shows da banda. Agora, pela primeira vez, o baterista tem a chance de mostrar seu valor como compositor e vocalista no disco de estreia do Birds of Satan.

"The Ballad of the Birds of Satan" abre com um solo de Taylor Hawkins, depois fica na parte instrumental até que entra a voz do baterista em uma faixa que lembra muito o Rush, banda que Hawkins introduziu no Hall da Fama do Rock and Roll no ano passado. É uma mistura muito boa de progressivo com hard rock.

Primeiro single da banda, "Thanks for the Line" é uma canção com guitarras altas, mas é só isso que chama atenção. A letra é bem bobinha, mas a melodia compensa muito. Em "Pieces of the Puzzle" temos outra faixa que lembra Rush, principalmente por misturar força e um pouco de reggae, como a banda fez nos anos 1980 – quando Neil Peart claramente se inspirou na new wave e no Police.

Mais tranquila, "Raspberries" lembra bastante o Foo Fighters quando Grohl decide diminuir o ritmo no meio do disco. Aqui temos outra letra que não chama tanta atenção, mas é outra que seria uma bela faixa instrumental. Outro bom hard rock é "Nothing at All", mostrando que Hawkins, Wiley Hodgden e Mick Murphy poderiam ter feito um trabalho só nesse estilo – o solo de violão é muito bom.

O início de "Wait Til Tomorrow" lembra muito Rage Against the Machine, mas a canção não passa de um power pop bem mais ou menos que deve servir para fechar as apresentações. Fechando o disco, "Too Far Gone to See" também fica na linha do mais ou menos na letra com uma boa melodia.

O grande problema da estreia do Birds of Satan está nas letras que, em sua maioria, são inofensivas. Talvez fosse melhor um disco instrumental, sem dúvida estaria entre os bons deste ano. Para uma estreia, com ajuda de Grohl, Rami Jaffee e Pat Smear, até que não ficou ruim. Só precisa melhorar as letras no próximo trabalho.

Tracklist: 

1 - "The Ballad of the Birds of Satan"
2 - "Thanks for the Line"
3 - "Pieces of the Puzzle"
4 - "Raspberries"
5 - "Nothing at All"
6 - "Wait Til Tomorrow"
7 - "Too Far Gone to See"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Jack White – Lazaretto
4 em 1: Adrenaline Mob, Maxïmo Park, Paloma Faith e Wild Beasts
Resenha: Swans – To Be Kind
Resenha: Titãs – Nheengatu
Resenha: Paolo Nutini - Caustic Love
4 em 1: Robert Ellis, Noah Gundersen, The Men e Eric Church