Mais do blog:

quinta-feira, 13 de março de 2014

Resenha: Real Estate – Atlas


Essa nova década dos anos 2000 tem sido importante quando o assunto é retornos musicais. Muitos deles vêm acontecendo a torto e a direito nos últimos anos, e não foi diferente com o Real Estate. Sem lançar nada desde 2011, quando colocou no mercado o bom Days, eles retornaram com todas as pompas para divulgar Atlas, terceiro trabalho de estúdio.

“Had to Hear” mostra logo na primeira canção o cartão de visitas deles ao longo do álbum: música sem muita frescura, recursos técnicos malucos ou qualquer coisa do tipo. Eles conseguem aliar o estilo do Tame Impala, sem ser muito psicodélico, com esse novo indie, sem ser chato.

A delicadeza de “Past Lives” é tocante, enquanto "Talking Backwards" mistura elementos acústicos com um bonito riff, curto, de guitarra. A instrumental "April's Song" é cheia de camadas e consegue atrair a atenção pelo fato de ser simples e grudar na sua cabeça de maneira que é possível assobiá-la – o que é sempre divertido.

Retornando ao clima das primeiras faixas, “The Bend” consegue ser interessante mesmo sendo semelhante às outras, assim como “Crime”, que tem como diferencial ser um tantinho mais acelerada. Mesmo sem muita ousadia, “Primitive” consegue se descolar por ser a melhor de todo trabalho. Neste ponto, o Real Estate chegou ao ponto alto de Atlas, uma bela recompensa para quem teve paciência.

Com mais cara de balada de todas, "How Might I Live" é outra que merece atenção pelo acompanhamento discreto da guitarra, diferente da agitada, mas não muito, “Horizon”. Por fim, sem muitas surpresas, “Navigator” finaliza sem nenhuma novidade, porém faz isso muito bem.

É um disco de faixas curtas agradável de ouvir, mas não espere muito mais do que isso. É o típico trabalho que é feito para quem deseja relaxar após chegar em casa ou quer apenas isolar-se do mundo depois de um longo dia de labuta. E é esse tipo de álbum, sem compromisso de ser alguma coisa, que é agradável de ter em uma coleção.

Tracklist:

1 - "Had to Hear"
2 - "Past Lives"
3 - "Talking Backwards"
4 - "April's Song"
5 - "The Bend"
6 - "Crime"
7 - "Primitive"
8 - "How Might I Live"
9 - "Horizon"
10 - "Navigator"

Nota: 3/5



Veja também:
Resenha: Pharrell Williams – G I R L
4 em 1: Phantogram, Sun Kil Moon, Reverend Horton Heat e Los Lonely Boys
Resenha: David Crosby – Croz
Resenha: St. Vincent - St. Vincent
4 em 1: Crystal Method, Indian, Nashville Pussy e I Break Horses
Resenha: Beck – Morning Phase

Siga o blog no Facebook, no Twitter e no Instagram