Mais do blog:

quinta-feira, 6 de março de 2014

Resenha: David Crosby – Croz


David Crosby concentrou sua carreira no Byrds, banda que o fez famoso, e no Crosby, Stills & Nash (às vezes Young, graças a Neil Young), talvez um dos grandes trios de todos os tempos da música americana. Já a carreira solo ficou sempre em segundo ou terceiro plano, não ganhando muito destaque. Mas 20 anos depois, ele resolveu lançar um trabalho com uma única assinatura: a dele mesmo.

Primeira faixa de Croz, "What's Broken" lembra muito o estilo chamado AOR, que mistura folk, country e jazz, geralmente. E é uma faixa absurdamente boa, com a seção de cordas sendo grande destaque inicial e conta com ajuda da bateria que tem uma tocada de jazz ou algo semelhante. Suave, "Time I Have" é um blues tocante e ganha muito com os vocais de apoio completando a voz de Crosby.

A acústica "Holding On To Nothing" tem uma letra lindíssima e ainda um solo de saxofone de fazer inveja a qualquer um. Também priorizando o violão, "The Clearing" tem um ar mais country blues do que todas as outras anteriores, e é outra com uma ótima temática. Por incrível que pareça, "Radio" tem todos os elementos de uma canção pop: um ótimo refrão e uma boa ponte instrumental, mas ela se supera por ter certa classe.

De extremo bom gosto, "Slice of Time" é toda baseada no piano e na bateria bem marcada, deixando um belo traço de jazz. O country rock retorna em "Set That Baggage Down" trata de um tema pesado (perder as pessoas que você ama) com um toque poético, semelhante ao feito em “If She Called”, desta vez apenas com uma letra sombria e uma guitarra chorando.

A balada "Dangerous Night" mostra que não é só Elton John que consegue fazer esse tipo de música pop com qualidade. Mais uma sombria, “Morning Falling” é triste e a melodia deixa tudo ainda mais para baixo. Por fim, “Find a Heart” traz o clima AOR do início do disco e é um belo encerramento.

Crosby, assim como boa parte de seus contemporâneos, ainda tem fôlego para criar boas músicas e bons álbuns, o que não deixa de ser interessante. E nessa nova moda de retornos milionários e cachês exorbitantes, ver um cara como ele se dando ao trabalho de estar em turnê há mais de 40 anos só prova que devemos valorizá-lo e desprezar ainda mais quem está nessa só pela fama.

Tracklist:

1 - "What's Broken"
2 - "Time I Have"
3 - "Holding On To Nothing"
4 - "The Clearing"
5 - "Radio"
6 - "Slice of Time"
7 - "Set That Baggage Down"
8 - "If She Called"
9 - "Dangerous Night"
10 - "Morning Falling"
11 - "Find a Heart"

Nota: 4,5/5



Veja também:
Resenha: St. Vincent - St. Vincent
4 em 1: Crystal Method, Indian, Nashville Pussy e I Break Horses
Resenha: Beck – Morning Phase
Resenha: Katy B – Little Red
Resenha: Broken Bells – After the Disco
4 em 1: Tinsley Ellis, Iron Mind, Lake Street Dive e Tinariwen




Siga o blog no Instagram: http://instagram.com/musicontherun_