Mais do blog:

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Resenha: Beck – Morning Phase


Beck andava meio sumidão das paradas até que soltou a notícia de que lançaria um disco novo em 2014. Seu último trabalho, chamado Modern Guilt, foi lançado em 2008 e ninguém tinha muita ideia do que ele iria fazer de novidade até o primeiro single. E foi neste momento que o modo Léo entrou em ação (vamos ver se esse Morning Phase é tudo isso mesmo).


A instrumental “Cycle” abre Morning Phase trazendo um clima de música clássica com um arranjo bem bonito, para então começar os trabalhos de verdade com a balada romântica “Morning”. Leve e simples, ela entrega uma atmosfera quase religiosa na faixa. O vocal sereno de Beck, aliado com o vocal duplo e os efeitos, está incrivelmente bom.

Também com um arranjo de muito bom gosto, "Heart Is a Drum" mostra que as letras serão pautadas pela poesia dos versos e pelos arranjos sem muitas firulas. O verso Everyone, if they drown from the undertow/ Need to find someone to show me how to play it slow/ And just let it go traz um toque biográfico a canção, e isso faz toda diferença. Pendendo para algo mais próximo do country de raiz americano, “Say Goodbye” coloca a solidão como pauta.

Primeiro single, “Blue Moon” é outra canção muito bonita e sem muita frescura, apenas violão e um arranjo digno. Com recursos do autotune e do piano, Beck falha em "Unforgiven", uma balada subaproveitada, porque uma letra tão boa merecia mais, mas até que a melodia da parte final compensa um pouco. A soturna "Wave" tem um belo arranjo de cordas, novamente dando um toque mais clássico ao disco.

A bonitinha "Don't Let It Go" soa como uma letra dos Beatles escrita em 1962, 1963 cantada por um Bob Dylan moderno e com uma boa voz, já "Blackbird Chain" é a primeira com ares mais pop – refrão mais fácil e menos dependência de qualquer tipo de efeito. A instrumental "Phase" é a ponte para as três últimas canções de Morning Phase.

"Turn Away" é a típica faixa que faria sucesso em qualquer outro álbum, mas, neste caso, ela se parece muito com outras que vieram antes. Outro desperdício. Isso não acontece em "Country Down", que ganhou muito com um belo solo de gaita. Por fim, a canção-título é a repetição da fórmula usada antes, mas não há problema nisso.

Morning Phase é o disco que não é nem tanto ao mar, nem tanto a terra. É um trabalho muito bom, com arranjos belos e letras romântico-melancólicas muito boas, mas ele fica um pouco repetitivo na parte final. Porém isso não tira o brilho do retorno de Beck, que voltou à ativa com um álbum pop com ar clássico.

Tracklist:

1 - “Morning”
2 - “Heart Is A Drum”
3 - “Say Goodbye”
4 - “Waking Light”
5 - “Unforgiven”
6 - “Wave”
7 - “Don’t Let It Go”
8 - “Blackbird Chain”
9 - “Evil Things”
10 - “Blue Moon”
11 - “Turn Away”
12 - “Country Down”

Nota: 3,5/5



Veja também:
Resenha: Katy B – Little Red
Resenha: Broken Bells – After the Disco
4 em 1: Tinsley Ellis, Iron Mind, Lake Street Dive e Tinariwen
Resenha: Young The Giant – Mind Over Matter
Resenha: Bombay Bicycle Club – So Long, See You Tomorrow
4 em 1: Ed Harcourt, September Girls, Cheatahs e Leiva