Mais do blog:

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Resenha: Jake Bugg - Shangri-La


Jake Bugg é desses novos artistas que é julgado por ser novo, por fazer estar nos holofotes e por diversas outras coisas que alguns críticos detestam até o final de suas vidas. Com dois discos lançados em dois anos, o cantor e compositor vem conquistando o público nesse período.

Em seu segundo álbum, chamado Shangri-La, Bugg contou com a ajuda do novo Midas da música: Rick Rubin, que também produziu os novos (não tão bons assim) de Black Sabbath e Eminem, foi o escolhido para ajudar o garoto de 19 anos na escolha do repertório e na produção.

Surpreendentemente boa, “There's a Beast and We All Feed It” tem uma clara influência de Bob Dylan. Um folk da melhor qualidade, com uma pegada mais pop, a primeira faixa do trabalho chama atenção para quem gosta desse tipo de canção. Um pouco mais acelerada, pendendo para um country-folk, “Slumville Sunrise” deixa audição animada.

Já “What Doesn't Kill You” é mais rock e mais rápida, tanto é que Bugg quase fica em fôlego em alguns momentos. O oposto da primeira canção, “Me and You” soa muito com Taylor Swift, mas não tem o estilo vingativo e direto usado pela cantora. É romântica e piegas – algo que não foge do padrão de um cara de 19 anos.

Quase na metade do disco, “Messed Up Kids” é uma mistura entre Oasis e Bob Dylan. Não é ruim, entretanto não consegue se sobressair no que é uma tentativa de ter algo épico. Uma pena que o potencial de “A Song About Love” não tenha sido aproveitado por inteiro – uma pena mesmo, pois é uma canção muito bonita. Um blues muito interessante faz “All Your Reasons” a melhor de todo álbum, mostrando a qualidade da banda que acompanha o cantor – o solo de guitarra fazendo a ponte entre os versos é lindo. Em “Kingpin” fica clara a influência do Oasis na composição.

Entrando na fase sombria, Bugg canta You'll be with the rest of the lonely people/ Ones who live in a cold dark place/ Sometimes it's better just to run then to face the pain em “Kitchen Table”, outra boa faixa toda no violão, assim como “Pine Trees”. Penúltima, “Simple Pleasures” retoma o clima de blues de “All Your Reasons”, enquanto a bobdyliana “Storm Passes Away” encerra Shangri-La muito bem.

O segundo disco, geralmente, é uma prova de ferro para qualquer músico, mas isso não foi problema para Jake Bugg. Ele variou bem entre o acústico e o elétrico, mas pecou pelo exagero em algumas partes e pela falta de mais refinamento em outras. Jake conseguiu colocar tons de pop em todas as suas influências, que vão de The Who e Bob Dylan até Oasis. Enfim, Bugg tem apenas 19 anos e conseguiu fazer um álbum muito bonito e bom para alguém de sua idade.Usando o "momento clichê": não é uma obra-prima, mas mostra que ele está no caminho certo.

Tracklist:

1 – “There’s A Beast And We All Feed It”
2 – “Slumville Sunrise”
3 – “What Doesn't Kill You”
4 – “Me And You”
5 – “Messed Up Kids”
6 – “A Song About Love”
7 – “All Your Reasons”
8 – “Kingpin”
9 – “Kitchen Table”
10 – “Pine Trees”
11 – “Simple Pleasures”
12 – “Storm Passes Away”

Nota: 3,5/5



Veja também:
4 em 1: Waxahatchee, Jessie J, Janelle Monáe e Morcheeba
Resenha: Deerhunter – Monomania
Resenha: Lorde – Pure Heroine
4 em 1: Clarice Falcão, Nevilton, Madrid e Ed Motta
Resenha: Lady Gaga – Artpop