segunda-feira, 21 de outubro de 2013

O fenômeno Beatles


2013 é um ano especial para qualquer fã de Beatles, pois se comemora 50 anos dos dois primeiros discos da banda. Please Please Me e With The Beatles são os primeiros de 12 (13 se você conta Magical Mystery Tour) de lançamentos que mudariam a história do pop para sempre.

Graças a popularidade do Fab Four, aliado ao grande talento de Brian Epstein em gerir a carreira dos quatro, eles rapidamente explodiram. E ao fazer sucesso, John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr foram o primeiro grupo alcançar um público maior nas paradas antes dominadas por artistas solos – únicos que conseguiam trafegar entre o rock e pop.

Os Beatles também foram a primeira grande banda da geração pós-Segunda Guerra Mundial. Nascidos em meados dos anos 1940, os garotos cresceram em uma Inglaterra em reconstrução, e isso colaborou muito para a formação e maneira de levar a vida e a carreira deles.

O que também contribuiu para o sucesso foi o surgimento do hoje popular mercado para adolescentes. Antes do final dos anos 1950, não existia um tipo de música, roupas ou cinema para esse tipo de público com idade entre 11 e 18 anos, mas isso mudou com o aparecimento do rock and roll e o surgimento de ídolos como Elvis Presley, Jerry Lee Lewis, Chuck Berry, Little Richard e Buddy Holly.

No cinema, a figura de James Dean no filme Juventude Transviada também colaborou para esse tipo de formação adolescente revoltado. Potencializado pelo rock, as empresas tinham um prato cheio para atrair meninos e meninas a se vestir e ouvir o que estava na moda. E ainda existia o fato de que essa geração dos anos 1950 foi uma das que buscou o mais rápido possível a independência paterna – não era difícil ver muitos adolescentes trabalhando. Ou seja, eles já buscavam uma maneira de manter seu estilo sem depender dos outros.

Esse tipo de fenômeno nunca é sentido nos primeiros anos, pois ainda dependia de uma popularização, que veio nos anos 1960. Ser um adolescente ‘cool’ já não era mais novidade em um mercado mais moderno, mas ainda sem um grande nome – todos os citados acima estavam fora do jogo (Jerry Lee Lewis e Chuck Berry estavam enfrentando julgamentos públicos por condutas inaceitáveis; Elvis estava no exército; Little Richard abandonou a carreia pela religião; e Buddy Holly havia morrido em um acidente aéreo, data que ficou conhecida como “O Dia que o Rock Morreu”).

O cenário construído para o surgimento do fenômeno chamado Beatles acabou sendo meio que por acaso. Não havia nenhum grande nome para preencher as rádios, apesar das inúmeras tentativas de encontrar um novo Elvis ou de alguém novo que impactasse o público da mesma maneira; o rock, como cultura de massa, era tratado como coisa passageira ou de segundo escalão pelas pessoas mais velhas nos Estados Unidos. Pela falta de alguém somado a popularização do rock na Inglaterra no início dos anos 1960, os jovens encontraram os Beatles, filhos do blues feito na década anterior e do rockabilly de Elvis.

Nenhum fenômeno acontece de graça, ainda mais na proporção gigantesca que os garotos de Liverpool tomaram até 1970, ano em que os Beatles encerraram suas atividades com o dever cumprido.

Leia mais: Resenha: Paul McCartney – New
Documentário: The Beatles - Magical Mystery Tour Revisited
Discos para história: Please Please Me, dos Beatles (1963)
Discos para história: The Beatles (White Album), dos Beatles (1968)