No YouTube

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Dez discos que completam 50 anos em 2017


A animação Os Herculóides estreou na TV há 50 anos

Não sei vocês, mas fiquei espantado ao saber que Os Herculóides (1967-1969) completa 50 anos de sua primeira exibição na TV nos Estados Unidos. Assim como a animação dos estúdios Hanna-Barbera, os discos abaixo também estão completando meio século.

Claro que alguns importantes trabalhos ficaram de fora, porém a intenção aqui era fugir um pouco do óbvio. Deixem nos comentários sua lista de dez ou mais discos que completam 50 anos em 2017.


The Doors, do Doors

Talvez o mais importante dessa lista, a estreia do Doors traz no lado A os clássicos "Break On Through (To the Other Side)" e "Light My Fire". Sucesso absoluto desde então, esse álbum trouxe a potencia de uma banda liderada pelo vocalista Jim Morrison.


Chelsea Girl, de Nico

Meses depois de lançar um fracasso de vendas com o Velvet Underground, mas que seria influente em toda uma geração de músicos, Nico Päffgen lançou seu primeiro disco solo. Com ajuda de Lou Reed e John Cale, Chelsea Girl é considerado um dos grandes discos daquele ano -- redescoberto anos depois.


Absolutely Free, de Mothers of Invention

Sucessor do importante Freak Out! (1966), o segundo álbum do Mothers of Invention traz um Frank Zappa mantendo o mesmo nível de inspiração do anterior na composição das melodias e das sarcásticas letras. "Brown Shoes Don't Make It" está neste registro.


Francis Albert Sinatra And Antonio Carlos Jobim, de Frank Sinatra And Antonio Carlos Jobim

No auge de sua segunda fase na carreira Frank Sinatra (1915-1988) tinha um programa na TV em que tinha números musicais. Em um desses programas, Tom Jobim (1927-1994) fez uma participação história. Essa parceria rendeu um LP histórico que uniu a classe vocal de um com a bossa do outro.


Evolution, do Hollies

É o primeiro de dois discos do Hollies lançados em 1967. A estreia do grupo traz a formação original, que teve como guitarrista e vocalista Graham Nash -- futuro membro do Graham, Stills, Nash & Young na década seguinte.

Veja também:
Discos para história: In the Wee Small Hours, de Frank Sinatra (1955)
Discos para história: Refazenda, de Gilberto Gil (1975)
Discos para história: Clube da Esquina, de Milton Nascimento e Lô Borges (1972)
Discos para história: Gita, de Raul Seixas (1974)
Cinco discos de Roberto Carlos para ouvir agora



The Grateful Dead, do Grateful Dead

Símbolo do rock psicodélico, o Grateful Dead lançava seu primeiro disco há 50 anos. A capa é das mais feias que já vi, mas a música compensa. Jerry Garcia e Bob Weir mostravam ser uma dupla das mais inspiradas nas guitarras.


Travessia, de Milton Nascimento

O primeiro disco de Milton Nascimento é uma obra-prima da música brasileira. Ao lado de grandes músicos, ele já mostrava todo potencial de interpretar suas ótimas composições. Um álbum fundamental.


Louvação, de Gilberto Gil

Muito antes de revistar o próprio passado nos anos 1970, Gilberto Gil mostrou em Louvação que a música nordestina sempre foi fundamental em sua construção musical. O primeiro disco solo mostra isso, e ainda contou com as colaborações de Caetano Veloso, José Carlos Capinam, Torquato Neto, Geraldo Vandré e João Augusto.


Roberto Carlos Em Ritmo De Aventura, de Roberto Carlos

Trilha sonora de filme do mesmo nome, o primeiro longa do cantor, o disco lançado por Roberto Carlos tem muitos sucessos, entre eles "Eu Sou Terrível" e "Como É Grande O Meu Amor Por Você". Antes de encaretar e virar o cantor preferido das senhoras de mais de 50 anos, Robertão fazia coisas interessantes na carreira.


Raulzito E Os Panteras, de Raulzito E Os Panteras

Esse é o primeiro registro de Raul Seixas como cantor. Fã de rock, ele começou a carreira sendo líder d'Os Panteras no primeiro e único álbum da formação. Depois, Raulzito viraria um dos grandes nomes da música brasileira.

Gostou do post? Compartilhe nas redes sociais e indique o blog aos amigos!