No YouTube

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Saída do Reino Unido da União Europeia também afeta indústria musical


Principal representante  fala em "incerteza", "forte impacto nos negócios" e busca acordo com governo

Na madrugada desta sexta-feira (24), um plebiscito no Reino Unido decidiu pela saída da União Europeia por 51,9% a 48,1% dos votos. Se o mercado financeiro acenou com um princípio de crise, a Associação de Negócios da Indústria Fonográfica Britânica (BPI na sigla em inglês) também sentirá o impacto da decisão pelos próximos anos.

Segundo o último levantamento, a indústria musical britânica gera receitas de £ 4 bilhões (perto dos R$ 20 bilhões) anuais para região. Logo que a decisão saiu, o BPI anunciou que entrará com um pedido junto ao governo para ter garantias de negociar livremente na Europa a partir do momento em que a ruptura se concretizar.

"O resultado do referendo vem como uma surpresa para muitos na comunidade de música, que verá a incerteza econômica que se avizinha e o impacto que isso pode ter sobre as perspectivas de negócios", disse o presidente-executivo do BPI Geoff Taylor. "As consequências políticas e macroeconômicas no curto prazo significarão novas prioridades para a indústria da música em nosso trabalho com o governo", continuou.

"Vamos pressionar o governo para negociar rapidamente acordos comerciais que garantam o livre acesso aos mercados da União Europeia para a nossa música e nossos artistas. Nosso governo também terá a oportunidade de legislar regras de direitos autorais mais fortes que incentivem o investimento no Reino Unido para proteger os criadores da pirataria. Estamos confiantes de que a música britânica continuará a ser extremamente popular em toda a Europa e vamos trabalhar duro para garantir isso", finalizou.

Músicos do calibre de Damon Albarn e Noel Gallagher se manifestaram contra a decisão.

"Meu coração está pesado hoje. A meu ver, a democracia falhou porque as pessoas foram mal informadas. E eu só quero que, todos vocês saibam que quando sairmos daqui, podemos mudar essa decisão. É possível", disse Albarn.

"Eu não acho que deveria ter sido feito [o plebiscito]. Eu vejo os políticos na TV todas as noites nos dizendo que esta era uma decisão importante, que poderia nos foder e mudar o Reino Unido para sempre. O que você está pedindo para as pessoas? 99% delas não conseguem ver se alguém os mordeu na bunda", disse Noel.

A saída em si demora até dois anos, mas os impactos serão sentidos no curto prazo. A torcida fica para não afetar os festivais e o trânsito de músicos britânicos pela Europa. Porque uma decisão desse tamanho mexe muito com um país, imagine com quatro? Torcida para que tudo se resolva da forma menos traumática possível.

Esse post foi um oferecimento de Felipe Portes e Rafael Monteiro, os primeiros patrões do blog. Contribua, participe do nosso Patreon.

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.

Siga o autor no Twitter