No YouTube

quinta-feira, 9 de junho de 2016

O sonho de assistir um festival na Europa

Foto: Eric Pàmies/Primavera Sound//Divulgação

Começou a época mais legal do ano para quem gosta de música

Essa é a época do ano em que bate uma tristeza por não ter algum dinheiro sobrando ou ter tido o cuidado o suficiente nos 12 meses anteriores para juntar dinheiro e planejar uma viagem para algum bom festival na Europa – os mais legais acontecem entre o fim de maio e o fim de agosto.

Para quem gosta de música, é o momento do ano mais esperado. Porque as opções são infinitas. Da Alemanha até a Inglaterra, pode-se usar vários critérios na escolha do local. Quero ver uma banda pela primeira vez ou aproveito a viagem para ir no festival? Ou ambos? Ou quero rever aquela banda que me marcou? Ou simplesmente quero ir em um festival europeu?

E esse ano está muito legal, porque tem muita gente boa lançando disco novo. PJ Harvey e Radiohead, por exemplo. Tem o Tool, tem o retorno do LCD Soundsystem, tem Arcade Fire (que nunca vi), tem Brian Wilson tocando o Pet Sounds na íntegra, existem tantas opções que o parágrafo poderia ter 12 linhas sem erro.

Ir assistir um festival na Europa é um objetivo de nove entre dez amigos que converso sobre o assunto. Tão perto e tão longe, ao mesmo tempo. Imagino que deve ser uma experiência ótima viajar pela música e fazer um turismo musical. Conhecer Liverpool, Manchester, os lugares da música alternativa na Alemanha dos anos 1980, descobrir que esse mundão é imenso. E que há lugares incríveis para conhecer, descobrir, explorar.

Espero, um dia, conseguir fazer uma viagem dessa (acompanhado pela namorada, claro). Porque pode haver o perrengue e a dificuldade, mas não há preço que pague ao saber que há um festival de música pela frente. Porque poucas coisas são mais legais que um festival de música.

Esse post foi um oferecimento de Felipe Portes, o primeiro patrão do blog. Contribua, participe do nosso Patreon.

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais! Isso ajuda pra caramba o blog a crescer e ter a chance de produzir mais coisas bacanas.

Siga o autor no Twitter