No YouTube

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Meus discos de 2014, por Giovanni Cabral



2014 foi um ano muito bom em relação a lançamento de discos, de diferentes gêneros e estilos. Listei dez álbuns que me agradaram mais no ano, alguns já conhecidos e outros nem tanto. Espero que quem leia possa se interessar por algo que ainda não conheça e descobrir novas sonoridades.



Cynic - Kindly Bent To Free Us 

Em seu terceiro álbum, o trio cria ambientações espaciais e repletas de emoções, onde qualquer intervenção de heavy metal é apenas um mero detalhe adicional. O som é calcado no prog e no jazz - principalmente pelo descomunal ritmo de Sean Malone no baixo.


YOB - Clearing the Path to Ascend

Quatro músicas em 62 minutos, resultando em sonoridades que incomodam, desafiam e hipnotizam. Uma jornada mística e espiritual na consciência do ouvinte; sombrio como um bom disco de doom metal precisa soar.


Yossi Sassi - Desert Butterflies

Segundo trabalho solo do ex-guitarrista do Orphaned Land. Mescla música oriental com elementos de jazz e rock progressivo, fazendo com que o resultado tenha uma beleza única e encantadora.


Eyehategod - Eyehategod

Há 25 anos em atividade, este quinteto de Louisiana é um dos pilares na formação do sludge-metal, o gênero mais "lamacento" do metal. Com esse disco homônimo, o quinto da carreira e lançado após 14 anos sem trabalho de inéditas, eles provam a sua gigantesca importância no estilo. Canções com influências de hardcore, blues e doom metal; porém sempre com uma generosa sujeira encobrindo tudo.


Blues Pills - Blues Pills

Após alguns EP's, este quarteto gerou muita expectativa para sua estreia. O que temos é um blues rock de altíssimo nível, com a cantora Elin Larsson apresentando uma voz peculiar e marcante.


Mastodon - Once More 'Round the Sun

A banda conseguiu enfim soar acessível para o grande público, mas sem perder a sua identidade. "The Motherload" é o grande hit (talvez do ano).


Hail Spirit Noir - Oi Magoi

Black metal + jazz + prog. Um contraste gigantesco permeia o registro: enquanto são vomitadas blasfêmias no vocal, um instrumental cristalino e técnico flui; os 11 minutos da faixa “The Mermaid” podem comprovar isto. A coisa mais original que eu ouvi nos últimos tempos.


Sunn O))) + Scott Walker - Soused

A parceria do projeto mais Avant-garde desse século com o mestre do experimentalismo, e ficou incrível. A ansiedade, a angústia e o caos em forma de música, ninguém faz isso melhor que o Sunn O))) ; e o veterano Walker deu maiores níveis de profundidade e perplexidade a obra.



Eu até comentei sobre o disco aqui no site. Novamente, reafirmam porque ele formam a atual maior banda de metal; músicas longas, pesadas, agressivas e emocionais.


Opeth - Pale Communion

Simplesmente espetacular; influências que vão de King Crimson a CSNY. Em relação ao álbum anterior, Heritage, temos uma dose maior de teclados e percussão; com preciosidades como "Moon Above, Sun Below", "River" e "Voice of Treason".


Siga o blog no Twitter, Facebook, Instagram, no G+, no no Tumblr e no YouTube

Gostou do conteúdo? Compartilhe nas redes sociais!